ABAIXA O SOM!!

ABAIXA O SOM!!

Escrevo este texto enquanto lamento que meus fones não consigam cobrir o “lek, lek, lek” de uma festa perto da casa dos meus pais, onde o funk tomou conta dos ouvidos do bairro e a polícia me ignora depois de três chamadas. Restou colocar uma boa música no computador e – indignada – escrever pra acalmar. Sim, estou irritadíssima!

 

É que não suporto isto de desrespeitar o espaço dos outros, o território, físico ou metafísico do próximo com meus valores e minha estúpida folga e falta de bom senso. Gente com música no busão ou metrô bem alto, ou mesmo baixa, mas sem fone? Falta de educação! É equivalente a soltar pum no elevador. Não acha? Eu acho! Gente que ronca e dorme no avião espalhando sua poderosa extensão gutural aos demais passageiros? Noção zero! Pessoinha que ocupa um assento com sua bagagem enquanto outros se resignam em pé? Folgada!

Uma vez ouvi, ainda criança, que meu direito acaba quando começa o do outro. Foi uma aula na escola e a professora dava com exemplo o abrir dos braços. Eu era o exemplo, mal no caso. Ela dizia que podíamos abrir os braços o quanto quiséssemos, mas se ele encostasse no outro ou nas coisas dos outros, era sinal de que precisávamos regredir, pois era direito do outro ter seu espaço resguardado.

Deve ser por isto que resisto ao máximo a ligar para alguém e não, não gosto de atender ligações. Acho invasivo! Não ligo e não atendo ligações feitas antes das 8h e depois das 20h. A menos que seja meu pai, que adora me ligar às 6h de domingo pra perguntar: “tudo bem aí? Tá na hora e levantar!”. Ele eu perdoo. Só ele! Prefiro mensagens e daria um abraço bem apertado agora no gênio que inventou SMS, Whatsapp e afins. Sim, gosto de me comunicar assim. Escrevo e quando a pessoa achar que pode, ela responde. Se for muito urgente e for a trabalho, eu ligo, mas geralmente não é, né?!

Esta coisa de internet e um mundo mais direto, mais informal, trouxe esta coisa também e não gosto da parte de incomodar os outros. Se eu te incomodar, por favor, pode sair do meu blog agora e mil desculpas, tá?! Todavia, se está aqui, aposto que não segurei sua cabeça, seus dedos e o obriguei a acessar, então, fique mais um cadinho comigo. Só não me marque em fotos que não sejam minhas, nem fique me cutucando ou pedindo pra seguir de volta ou curtir algo. Não curto isto. Também acho falta de noção e de educação!

As pessoas não têm o mesmo tempo que você, o mesmo gosto musical, preferência por filmes e nem disposição em acordar ou dormir. Respeite! Fones, silêncio, segurar o pum, a goela e o entusiasmo contam para deixar o mundo menos irritado e mais respeitoso. Se não fosse assim tão intrometido e mal educado, eu até toparia ouvir um funk qualquer hora e tentar descobrir a graça, mas pelo que tenho visto, funk e respeito ao próximo parecem coisas conflitantes, então não, obrigada! E, por favor, ABAIXA O SOM!

8 comments

  • Concordo ,, acho o fim essas pessoas que invadem o espaço do outro. Imagina vc que moro em uma chácara afastada um pouco da cidade, tenho um vizinho a + ou- uns 400 metros , e ele tem um carro com aquelas cx enorme son , fim de semana e um terror , som altíssimo de funk e de toda essa porcaria que vc possa imaginar, e o fim.

    Reply
  • Muito Bem, Fabi!
    É verdade também aprendi de minha mãe, que meu direito se inicia onde termina o do outro, então respeito também se resume nisso, em cada um observar os outros ao seu redor e perceber que os outros não é obrigado a curtir o mesmo que os demais.

    Ps. Querida Fabi, gostaria de lhe dizer que recebi o seu livro na sexta, meu esposo quem comprou para mim, pois, eu já havia falado para ele que tinha gostado e que acompanhava (blog) você por sua franqueza e que adoraria ler seu livro, então ele comprou pra mim e dedicou para mim, quem sabe um dia nos encontraremos e agradecerei a você pelo maravilhoso Dom que você recebeu, não apenas de escrever mas sim de decodificar as entrelinhas e os pormenores da vida e transformar em palavras compreensíveis e aprazíveis, parabéns, que Deus te ilumine diariamente e te abençoe linda!

    A propósito gostaria de um meio de contato mais direto com você, se não for pedir muito, e incomoda-la, pelo seguinte motivo: Gostaria de marcar com você a possibilidade de você vir a nossa cidade (Maranhão), para uma Palestra, em um evento da Igreja que estou planejando e falar do seu livro, e mais alguns assuntos, que você acha? aguardo.
    Abraço!

    Reply
  • pura verdade.. já fui ignorada pela polícia depois da terceira chamada tbem pra abaixar som e os seres que colocam som é que ameaçam a políciaaa papéis trocados..
    e no onibuss mtaaa falta de respeito som sem o fone. um dia bem irritada cutuquei a pessoa e disse: eu nao quero ouvir teu som, ouve só pra voce fazendo favooor kkkkkk

    Reply
  • Cara, eu não sabia que a Fabiana tava tão p da cara… Ela tinha comentado no twitter que tava incomodada com funk alto perto de onde ela tava, mas eu não sabia que era tanto. Ai, ai, ai. Coitada. Gente sem noção, sem educação, invasiva eu detesto também. Odeio que invadam meu espaço, me incomodem. Há uma linha que ninguém jamais deve ultrapassar, senão eu fico furiosa, insana de raiva. Me sinto invadida, desrespeitada. E o “invasor” vai se arrepender disso com certeza. Amargamente. Sei muito bem como ela se sente. Toma um chazinho de camomila, Fabi. Ou um suquinho de maracujá… Ajuda a relaxar, faz o sangue esfriar e descer. rs.

    Reply
  • Caramba Fabi ! Passando o mesmo aqui com os vizinhos ! o pancadão rolando solto, minha mãezinha não consegui dormir depois de vários Clonazepams, e eu ? Já fui ignorada pela polícia 5 vezes ! Desisti, e tô aqui, compartilhando já que não posso resolver rsrs ! Parabéns pelo post ! #respeitoébometdmundogosta

    Reply
  • Sei bem o que é isso!
    Meu vizinho insiste em incomodar, principalmente aos sábados!
    Tem dias que ele consegue me tirar do sério. Falta de educação é pouco.

    Reply
  • Caraca,Fabi, vc é ótima argumentadora em seus posts, e eu claro né:. apoio todos.
    Acho isso além de uma merda falta de educação, uma falta de consciência cidadã. desrespeitar os espaços individuais, colocando em praça pública a droga de seu gosto pessoal. Sofro com isso cotidianamente, e tento combater de forma educada os próximos a mim, pra que essas práticas que são repugnantes à nossa moral não se perpetue, até por quê já chega de títulos…o País, coitado! é que sofre com os títulos de má educação e baixeza cultural. só que o que acontece é que as pessoas deviam entender que o Brasil ou “os Brasis” são formados por cada indíviduo e à maneira que o mesmo procede com a comunidade a sociedade e o espaço individual dos outros.Pra mim esses modos de boa conduta deveriam ser ensinados como tabuada nas famílias, e nas escola uma aula de educação musical, pra que não aconteça esse festival de letras em atentado ao pudor, e baixaria. eu concordo com a lei, brasileiro pra ser brasileiro não precisa ser baixo, bunda, samba…tem que ser mais que isso , pra se ser de fato brasileiro.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *