Acima da lei

Dizem que sou rebelde. Bobagem e pura falta de assunto. Algumas pessoas é que não se deram bem muito bem ao me chefiar e botaram a pecha de insubordinada. No meu rol mais íntimo sou chamada até de fariseia por fazer questão de cumprir os menores preceitos. Mas isto é só enrolação para o que eu quero falar e eu quero falar de nós. Você, eu, ela, eles. Todos nós viventes que adoramos transgredir as regras.

Quando eu era adolescente era comum ouvir que as regras foram feitas para serem quebradas e eu até cheguei a acreditar nisto, vez ou outra. É tanta lei estúpida por aí que parece mesmo um estímulo à desobediência! Só que tudo tem o outro lado e é a ignorância deste “outro lado” que nos faz meros transgressores ao invés de iluminados seres que não se atêm às normas humanas. Quebrar uma regra é se portar como superior à elas e aos que a fizeram ou fiscalizam. E só não desrespeitamos àquelas que julgamos de bom senso ou justas, ou seja, nosso padrão de julgamento. Também evitamos aquelas que nos prejudicariam física ou financeiramente. Nem sempre, contudo.

O trânsito é um exemplo clássico e facilmente entendível. Ou você nunca furou sinal vermelho e ultrapassou o limite de velocidade? Vai confessa, ninguém está vendo. Sou de obedecer os sinais de trânsito e costumo ser chata com quem está dirigindo ao meu lado. É, não sou tão perfeitinha como pode parecer e outro dia, dirigindo rumo ao aeroporto percebi como sou ridicularmente hipócrita. Triste admitir, viu, mas é um incentivo pra você se olhar no espelho também.

Com um limite de 120 km na Bandeirantes e um belo tapete de asfalto eu me “distraí” e passei bem da velocidade para retomá-la ao avistar um radar. Aquela maquininha com câmeras poderiam ser um rombo na minha conta bancaria já tão combalida e eu não estava afim de um álbum fotográfico no Detran. Pisei no freio para tão somente acelerar depois do fiscal eletrônico e ao me dar conta do meu procedimento – não sigam meu exemplo, ok?! – pensei em como nos julgamos autossuficientes.

Desde a dona Eva o ser humano se acha mesmo acima da lei e não subordinado a estas regras. É como se estivéssemos – todos nós – acima de restrições. Entendemos os limites como punições à nossa condição elevada ao invés de cercas protetoras contra o perigo. É como se o cara que inventou o limite de 120 km/h na rodovia estivesse querendo me prejudicar, me atrasar e não soubesse o quanto sou boa no volante ao invés de imaginá-lo guardando uma margem de segurança para evitar acidentes e mortes naquele local.

As leis servem pra me proteger, para proteger o próximo de mim ou dele mesmo e o legislador pode não ser tão “esperto” quanto eu, mas arriscar minha vida na estrada ou em qualquer outra circunstância não parece mesmo uma atitude iluminada. Pense em todas as regras que quebramos diariamente e pare para considerar se morreria caso obedecesse. Talvez seja um exercício de humildade e submissão que pode ser útil em outras áreas da vida, em casa, com Deus.

Ah, na dúvida não ultrapasse!

2 comments

  • Pra variar: meus parabéns pelo texto. É excelente pra refletirmos. Costumo dizer que – principalmente voltando-me para o cenário brasileiro – ‘toda corrupção para “me beneficiar”, pode!’ Deve ser assim que a mentalidade brasileira funciona. Sou dessas que se irrita quando vejo o descumprimento das leis (ou a interpretação errônea, delas, sejam elas quais forem), no entanto, refletindo sobre seu texto, também já cometi esses erros de velocidade (o que é ridículo, mesmo). Refletindo, nos policiamos melhor, né, mesmo?
    Beijo. Sua fã: Irla.

    Reply
  • rsrsrs… Fazia tempo que não lia um post seu. Apesar de não conhecê-la, acredito que seja uma pessoa de muito bom astral, pra cima, acertiva. Gosto de ler seus posts, são bem diferentes e muito legais.

    Com relação às leis, também concordo que são para o nosso bem, se bem que, hoje, quando somos apreciadores delas, somos taxados de trouxas e coisas mais. Hoje em dia o que vale é ser esperto! As leis de deus é um bom exemplo. Agora a pouco, li um post em que tinha uma frase que dizia: As pessoas querem usar a lei de Deus, servir a Deus da forma que lhes é conveniente e não da forma como deve ser…

    Bom, como estou com preguiça de escrever mais (rsrsrs), te desejo as bênção de Deus!!!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *