Deus se importa com a sua vergonha

Deus se importa com a sua vergonha

“E, ao terceiro dia, fizeram-se umas bodas em Caná da Galiléia, e estava ali a mãe de Jesus. E foi também convidado Jesus e os seus discípulos para as bodas. E, faltando o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Não tem vinho. Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? ainda não é chegada a minha hora. Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser. E estavam ali postas seis talhas de pedra, para as purificações dos judeus e em cada uma cabiam dois ou três almudes. Disse-lhes Jesus: Enchei d’água essas talhas. E encheram-nas até em cima. E disse-lhes: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E levaram. E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo donde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo”. 

João 2:1 a 9

blog_aguaemvinho2

Falar de casamento e de cerimônia religiosa parece mesmo algo fora de moda dado que a família passa por uma das maiores crises da História. Nos Estados Unidos uma pesquisa recente mostra 60% dos casamentos acabam em divórcio em uma década. 35% dos que se casam só não se separam por falta de coragem e vivem num relacionamento infeliz. Dos 5% restantes 3% são considerados suportáveis por suas partes e apenas 2% se declararam felizes. Isto não parece alarmante para você? E claro que se os números são assim por lá, nos países como o Brasil a coisa não está muito diferente.

É preciso considerar que ainda que o fracasso nas relações não se torne público ele provoca feridas ardidas para o indivíduo ou indivíduos que convivem nesta relação e aí se incluem os filhos. Mas é claro que nenhum destes 100 casais da pesquisa chegou ao casamento pensando no fim. Ao contrário, quem casa está sonhando com uma vida feliz e cheia de planos. O que mostra também que para ser feliz no casamento, não bastar apenas sonhar e querer, pois do contrário todos seriam felizes e satisfeitos com a relação.

O que então acontece no meio do caminho? Você que está aí talvez um dia se casou, entrou por um corredor como este enfeitado de flores e com muita gente sorrindo pra você, mas desde aquele dia parece que a coisa mudou em casa, não? Para onde foram então os planos e juras de amor que fizeram diante do altar?

Vamos ao texto bíblico entender aquele casal de noivos em Caná da Galiléia que teve a ótima iniciativa de convidar Jesus para o seu casamento. Lembre-se: aquele casal convidou Jesus para estar em seu casamento, mas a Bíblia diz que, de repente, o vinho acabou. E aí vem a pergunta, será que no lar onde Cristo foi convidado também pode haver turbulência? Não é isto que a Bíblia nos diz. Ela fala que no mundo teremos aflição, então para começo de conversa, vamos parar de usar a Bíblia como amuleto estático que só por estar em casa nos salva de todo o perigo que ronda nossa vida. Mas se você está se perguntando qual a vantagem de ter Jesus em sua vida, a resposta pode ser mais simples do que parece.

O sofrimento na vida daqueles que não têm Jesus é como a ferida purulenta; é como a gangrena que vai devorando, levando à loucura, ao desespero, e finalmente à morte. O sofrimento na vida dos que têm comunhão com Cristo, é como a ferida limpa que doe, sangra, mas sara. E com o tempo só restam cicatrizes.
Agora as coisas podem estar bem ruins, mas acredite, sem Cristo elas seriam bem piores! A promessa do Pai é que mesmo em aflições, não estaríamos sozinhos, sem apoio para passar pela atribulação. Jesus estava naquele casamento, mas mesmo assim algo ruim aconteceu, acabou o vinho e era uma grande vergonha e desespero para a família. E mesmo com Jesus ali eles foram pedir ajuda à mãe de Cristo, o que é curioso. Maria é uma mulher extraordinária, digna, fiel e símbolo de entrega total a Deus, mas não se confunda, ela é só a mãe de Jesus, o Mestre é ele e ela sabe disto. Explica para os noivos que vai procurar ajuda com o único que é capaz de dar, seu filho. Se hoje estivesse aqui faria o mesmo, pois nunca se julgou santa ou infalível. Ela ainda disse aos que estava por perto: “Façam tudo o que ele vos mandar”. Está aí a primeira grande lição deste milagre, obedecer Cristo em tudo e não apenas naquilo que é conveniente pra mim, ou no que eu concordo. É em tudo o que ele mandar. Isto faz diferença.
E aí vem a obediência, pois é possível imaginar a cara de espanto dos homens quando cristo mandou que pegassem os toneis e enchessem de agua. Talvez você dissesse: “Senhor, desculpe a intromissão, mas o nosso problema não é falta de água, é de vinho”. Mas eles estava ali para obedecer em TUDO o que ele dissesse, ainda que em alguns momentos parecesse um disparate. Pois em seguida Cristo mandou que servissem o que estava nos barris e o que tinha nos barris? Água! Acho que algum deles deve ter pensando que era uma brincadeira de muito mal gosto, pois nós humanos queremos ver a ação de Deus de maneira instantânea e na hora em que julgamos conveniente pra nós.

Mas o assunto ali era sério demais para eles, pois naquele tempo era uma completa vergonha fazer uma festa e deixar que acabasse o vinho, ou seja, já começariam com vexame público. E a intervenção divina resolveu o problema. Todavia, embora fosse fácil encher os potes miraculosamente, Cristo não o fez, pois a participação humana nos milagres de Jesus são de uma poderosa lição: Jesus não faz o que você pode fazer, a parte dele é o impossível, mas até onde o homem pode agir, ele pede que aja como demonstração de aceitação e cooperação divina.

Conclusão: Cristo se importa até com sua vergonha pública, não importa o tamanho do seu problema, mas o que ele mais quer é operar milagres a ponto da sua vergonha ser motivo de orgulho depois da transformação. Aquele se tornou o melhor vinho que aquelas pessoas já tinham servido ou bebido antes, em demonstração de que Deus faz por nós muito mais do que poderíamos fazer sozinhos, porém, embora opere maravilhas em nosso favor, Ele não o faz forçosamente, quer nosso aval e nossa colaboração, pois onde acaba nosso possível, começa o impossível de Deus!

8 comments

  • Sem Jesus não dá, ótimo texto Fabi…Deus continue usando você para nos proporcionar essas bons momentos de reflexão, muito bom ler o que você, inspirada pelo Espírito, escreve sobre Jesus…Abraço!!!

    Reply
  • Olá Fabi, sempre leio seus textos e assisto aos seus vídeos. Você tem me inundado com sua sabedoria e louvo a Deus pela sua vida e pelo trabalho que fazes. És inspiradora, alegre e cativante. Creio que muitos já foram alcançados pelo pelo amor de Cristo através de suas palavras, às vezes doces, às vezes cortantes, mas sempre fiéis ao que nos ensina a palavra de Deus. Nesse texto gostaria de tirar uma dúvida, no trecho: “será que no lar onde Cristo foi convidado também pode haver turbulência? Não é isto que a Bíblia nos diz.” ; creio que aqui o que você quis dizer é que a Bíblia nos diz que mesmo com Cristo em nosso lar, poderemos viver situações adversas. Então, acho que deveria rever esse trecho para possíveis correções.
    Escrevo somente com a intenção de ajudar, se preferir apague o comentário depois.

    Um forte abraço!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *