Estão faltando mártires…

Estão faltando mártires…

Estou lendo sobre os mártires cristãos da reforma, na Idade Média, e pensando na disposição deles em sofrer e morrer por uma causa. Sempre admirei pessoas que têm uma razão forte o bastante para viver e mais ainda, para morrer. É que anda raro este tipo, ultimamente. Não sou masoquista não, nem vibro com a morte. Acho mesmo que não nos é natural esta coisa de acabar, como quem sai da própria festa e deixa os convidados lá, sozinhos.

É que reina uma apatia crônica e doentia que pasteuriza uma geração. Talvez duas ou três. No último século se pode contar algumas causas pelas quais valia a pena lutar. Foram duas guerras ocidentais, algumas reformas nos costumes e só. Teve também umas ditaduras aqui e acolá. Levaram embora o idealismo, sonhos vibrantes e algo pelo qual morrer. Queria isto de volta, esta vida de verdade que faz cada segundo ser sentido e percebido, sem esvair pelos dedos como água que não se conta as gotas.

Vivemos para consumir e consumimos nossa existência sem viver. Deus já não é o motivo principal, mas um acessório hype e até comercial. O nome de Cristo é invocado em livros e canções, mas já não muda corações, não é o objetivo. Aliás, nada que cerceie nossa própria vontade é recebido bem. Enquanto pop, quero Deus, como senhor de fato, tenho os desejos meus. O quero para me alegrar e confortar, não para me reformar e sigo vazio sem ter para quem a vida dar.

6 comments

  • Fabiana, estava pensando em te mandar uma pergunta faz um tempo… Porém, acredito que recebe tantas que a minha seria apenas mais uma e talvez passasse até mesmo despercebida, mas não custava nada não é?!
    Tenho passado por uma fase complicada, e minhas autoridades espirituais são “envolvidas demais no assunto” para que direcionasse essa pergunta a elas.
    Bom, é que congrego em uma igreja aqui da minha cidade, minha igreja é enraizada na visão celular modelo dos 12, sempre amei minha igreja, vim morar na minha cidade atual com 15 anos e já era convertida. Quando conheci minha igreja atual me apaixonei pela visão de cuidado e doação que a igreja ‘tinha’. Vivi experiências maravilhosas como: meu batismo nas águas, meus primeiros acampamentos, minhas primeiras experiências com Deus, minha primeira célula, minha primeira pregação no altar (após já algum tempo na fé) eu conseguia ver a PALAVRA na minha igreja sendo exercida. Houve um certo aniversário meu que passei maior parte do dia em uma ação social, sentia que cada sorriso que recebia era como um presente de Deus!
    Porém, este ano fui confrontada com uma visão da minha igreja que tem me deixado um tanto quanto confusa. Meus líderes tem a visão de apostolado, eles são apóstolos de nossa congregação, e começaram a agir de maneira que os números importam mais que a qualidade ministerial entende? Para resumir no último culto o mentor de minha igreja falou no altar uma palavra inteira sobre a PROSPERIDADE e DINHEIRO como se ambos significassem o mesmo… foi tão duro ver aquilo. Sempre o tive como referencial e ele de repente começa a pregar sobre o que ele chamou de “desatar na mente para o semear”, e a palavra dinheiro, eu acredito, foi bem mais falada do que o próprio nome de Jesus. Em meio a uma das orações nesse mesmo culto ele disse: Coloque a mão em sua cabeça e diga “Sai espirito de Franciscano”!
    Alegou com todas as forças que aqueles que não dizimam e ofertam com demasia são os escravos de seu dinheiro.
    Fabiana, doeu tanto! Não que eu não acredite nos dízimos e ofertas pelo amor, não é isso, mas acredito nos dízimos e ofertas como Paulo pregou a igreja de Coríntios que os macedônicos realizavam: dar o que está em seu coração sendo proporcional ou até acima do que pode, e assim o Senhor verá que se doa pela obra com o coração.
    E tudo isso tem acontecido justo agora que tenho buscado crescer mais sabe!? Meu coração clama por algo maior e consigo ouvir os gritos daqueles que não conhecem a verdade, e então minha igreja começa a se ‘virar’ para uma potestade chamada dinheiro.
    Eu sei da minha pequenez em Cristo, sei de verdade o quanto preciso dEle e sou dependente, tenho até buscado ver que não estou buscando tanto a Deus como deveria, porém, o Senhor sabe que em meu coração a chama por Ele e que em meu viver é nEle que quero existir, sonho em um dia ser conferencista de jovens e adolescentes, quem sabe até casais, pessoas como você me inspiram porque meu coração arde muito por isso.
    O que tem acontecido é que desde então sinto um anseio por conhecer outras igrejas… bom, eu sempre tive aversão a mudar de igreja, sempre falei em alto e bom som: “Nunca irei mudar de igreja por causa das pessoas.”. Mas não sei agora se são só as pessoas… talvez Deus não está feliz com o lugar em que estou. Estou tão confusa… e se eu mudar de igreja e acabar me decepcionando, tudo isso seria um atraso em meu ministério e chamado… E se não for essa a vontade de Deus?!
    Agora entende porque não posso contar com minha liderança? Eles estão envolvidos no assunto, tenho medo de falatórios e tudo mais. Mas o que tenho percebido é que não fazemos uma ação social faz anos, não fazemos um evangelismo, a liderança da juventude é um rapaz que tem um testemunho todo cheio de feridas, e existe algo que eles chamam de “Honrar a liderança” que é dando dinheiro, como uma oferta! aaah Fabi, por mais que eu ame e tenha convicção do quanto cresci naquele lugar, eu não aguento mais tudo isso, estou a ponto de nem desejar mais estar nos cultos… Se você puder me ajudar com uma palavra ou um conselho ficaria muito grata, sempre vejo seus videos e sou muito abençoada através deles… confio que você é instrumento do Papai.
    Se leu até aqui, muito obrigada rsrs… ore por mim!

    Deus abençoe você infinitamente! <3

    Reply
    • Eita, lasqueira, Maria, que assunto espinhoso! Realmente é difícil congregar num lugar onde a visão dos líderes é apenas dinheiro, mas talvez não seja “só” isto e este momento te deixou decepcionada a ponto de não perceber outros aspectos. Bom, antes de tudo vale lembrar que a atitude das pessoas não podem nos afastar de Deus. Vale lembrar também que obedecer a Deus ou fazer missões e pregar a Palavra, não significa estar debaixo de uma religião específica. Convém mencionar que ninguém é livre de defeito e sendo ser humano, falhas são inerentes. Agora, se quer conhecer outra igreja, por que não? Sobretudo, conheça mais a Bíblia, antes de se deter numa placa. Beijocas!

      Reply
  • Lindo! Lindo” Mesmo Fabiana, infelizmente esta é a verdade no cristianismo hoje em dia, não existe mais renúncia apenas um saciar de nossas vontades e desejos que nos afastam de Deus! Lindo Blog tamb *-*

    Reply
  • Nunca me senti mais feliz do que o dia em que fomos pra frente do maior shopping da cidade distribuir revistinhas do Impacto Esperança. Foram 3000 em 20 minutos. Naquele dia minha vida fazia sentido, eu tinha um motivo pelo qual estar no mundo, cumpria o objetivo para o qual havia sido criado… Mas esse tipo de coisa não tem acontecido mais. Não vamos mais às ruas.

    Reply
  • Lindo….

    Isso me lembra quando deixavamos o domingo a tarde na frente da televisão para EVANGELIZAR….Este ato de AMOR as ALMAS infelizmente tem acabado…Percebeo que as igrejas têem passado por problemas nunca enfrentado antes…As perguntas surgem, o que fazer, como orar, quando virá a resposta???
    Sei de uma coisa: Este atp de Amor tem de voltar e deve começar por MIM e VC.

    Bjks

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *