Inveja mata

Inveja mata

Chegam as festas de final de ano, folga do trabalho e invariavelmente as famílias se juntam. Parentes unidos geram cada conversa que chega a dar medo. Na minha casa é assim. Sem falar que toda família tem seus santos e demônios. Estes mais que aqueles, às vezes. E falar mal dos parentes parece mesmo um exercício irresistível lá em casa. Na sua é assim? Como estou há muitos anos fora, alguns ocorridos me escapam, mas a tônica é reconhecível e fico atenta, dando minhas contribuições de tempo em tempo, entre um cochilo e outro.

Além dos tópicos corriqueiros, como as brigas por desavenças triviais, tem os temas mais complexos: traições, depressões, mortes. O sinal da cruz aparece vez ou outra como se o benzimento pudesse de fato afastar o mau agouro. Fato é que um tema me chamou a atenção este ano. Estou falando da inveja. Não vou expor os invejosos da família, mas os invejo ao pensar que eles me exporiam sem dó nem piedade.  Em si mesmo, o tema já bem rico.

A inveja me atraiu na conversa porque ela agrega características bem peculiares e que destroem o portador como o crack o faz com seu viciado. Começa como um alívio mental que traz certo gozo e vai crescendo, crescendo. Aos poucos o invejoso já não se contenta em ter o mesmo carro, a mesma casa, um marido ou esposa parecido ou ainda a infame louça de cozinha. Não. Ele quer mais. O que era um alento se transforma em necessidade. É preciso ficar perto, contemplar, desejar com um poder quase sobrenatural. Ter só as coisas não sacia, o invejoso quer mesmo é ser o objeto (a pessoa) invejada. É um ladrão de vidas! Um veneno tão ardiloso que por vezes se disfarça de “inveja santa”, desprovida de beatificação.

Notando, entretanto, que não consegue o intento, desejar o mau do invejado é um contento. É como dizer pra si mesmo: “ele está na ruína. Se eu não posso ter, ele também não tem”. Nojento e pavoroso ao mesmo tempo. Enxergou alguém na descrição? Cuide, todavia, caro leitor, para que este espelho não reflita você. Pois assim como o vício em crack, a inveja é corrosiva, destrói o indivíduo, as pessoas ao seu redor e tem poucas e doloridas chances de cura.

2 comments

  • Ahaaa Como sempre você é objetiva e direta. Disse TUDO!

    Infelizmente pessoas assim são bem comum, não deveriam, mas são.
    Que Deus continue abençoando sua vida, sua mente para escrever coisas maravilhosas, inteligentes e bem proveitosas.

    Beijooo

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *