Júlia Rebeca

Júlia Rebeca

Ela gostava da Miley Cyrus e falava palavrão com facilidade. Gostava de sexo e não escondia isto de ninguém. Ela brigava com a mãe e também se sentia infeliz com frequência. É o que eu sei da Julia Rebeca e você também pode saber, lendo seus tuítes. Foi por lá, inclusive, que ela avisou que iria se matar, que poria fim ao sofrimento e pediu desculpas à mãe.

A grande mídia creditou seu suicídio – com o fio da chapinha – à exposição que seu vídeo teve. Sim, ela gravou um vídeo fazendo sexo com um ex-namorado e uma amiga. Ela mesma filmou, a amiga tentou se esquivar, mas não conseguiu bem. Ela mesma anunciou no Twitter que tinha um vídeo quente e foi ela, a vítima, quem espalhou seu vídeo de sexo.

Fiquei curiosa com suas relações e fui lendo os perfis de amigos com quem ela conversava frequentemente no TT e uma delas, a @bibixxx_ era parceira de festas e comentou de vídeos. Num dos post chegou a ironizar que não era o vídeo que a faria tirar a própria vida, pois ela mesma era quem tinha divulgado. Olhei mais um pouco e notei uma adolescente sem qualquer amor próprio, o que justificaria uma vida sem valor ao próprio corpo. Comentando no dia anterior a morte do ciúmes que sentia de alguém, Júlia enfatizou:

“Eu que não mereço ninguém pra falar a verdade.

Me odeio, sou um lixo mesmo. Flw

Eu me odeio tanto, tanto, tanto…

Tanto sentimento misturado que não consigo colocar no lugar…

Não boto mais fé em mim”

Em outra madrugava reclamava de quatro amigos que tinham marcado para fazer sexo e não a convidaram. Outro ainda comentava de filmes como o que ela tinha feito, dando a entender que era comum se filmarem em relações íntimas. Uma das amigas, a @Lumalu_ reclamou após a morte da reportagem que seria exibida no Fantástico:

“Como se ela tivesse se suicidado por conta do video. Sendo q sabemos q n foi isso! E q esse video só se espalhou +. ela tinha depressão.”

A garota então condena a reportagem que vai atribuir o suicídio ao vídeo, mas como todas as amigas sabem, este não foi o motivo. Fala da moral da família que ficará achincalhada por conta da exposição do vídeo e arremata com uma amiga:

“Como todo o Brasil vai pensar dps disso. Sem ao menos saber q ela se suicidou p livrar da tristeza da dor de uma depressão??”

Ela teclava com @larabatata e no seu perfil encontrei uma conversa interessante, horas antes da morte. Era a Julia perguntando da igreja da Lara que a convidara para ver um vídeo cristão e ir à igreja. Júlia dizia que tinha vontade de voltar, que chegava a ir em cultos, mas que não conseguia se entregar a Deus como antes. A amiga apela e depois, ao saber da morte, lamenta por não ter falado mais, insistido.

Não sei o que se passava com a Julia de fato, das angústias de uma menina de 17 anos que vivia triste, revoltada, que fazia sexo com vários parceiros e filmava isto para mostrar depois. Que queria voltar para a igreja, mas não tinha forças, que talvez tenha tido os estímulos errados e preferido companhia pouco edificante. O que me chamou a atenção nesta história foi a junção de tantos fatos que são mais corriqueiros do que a minha realidade faz parecer. Outro dia um amigo disse que não vivo no mundo real, que muitos jovens cristãos estão no culto de manhã depois de uma noite de álcool e práticas impublicáveis. Atormenta-me, porém, é pensar que muitos zumbis espirituais e emocionais estão por aí, sorrindo e mostrando um lado lascivo para esconder uma alma doente, sofredora e ao julgarmos seus sorrisos plásticos, suas palavras frívolas ou sua vida sexual intensa e descompromissada, deixamos passar alguém que precisa de carinho, apoio menos tapas e talvez um dedo apontando um outro caminho de paz.

Sempre condenei meninas que se deixam filmar por namorados e amigos numa transa qualquer. Sempre achei que estes meninos são idiotas por divulgar e um bando de maricas ao precisar espalhar a intimidade para se sentir mais “homens”, mas hoje, depois da Júlia, olho diferente para estas garotas que antes só me pareciam vagabundas. Não são. Muitas estão desesperadas por atenção. Dão o corpo querendo carinho, cuidado, se mostram fatais, mas querem colo como crianças. Não gosto de sentir pena dos outros, mas senti da Julia Rebeca e muitas outras Julias que circulam por aí na internet.

 

26 comments

  • Sou líder de célula de adolescentes,eu sinto que tenho um chamado pra ajudar meninas que de alguma forma sofrem ou ja sofreram, toda vez que leio,vejo na rua,em qualquer lugar, algo em relação a meninas tão novas fazendo coisas absurdas com sua vida me doí muito… Oro pela nossa geração,porque cada vez mais o inimigo tem tentado e até as vezes conseguido roubar,matar e destruir

    Reply
  • Fabi faz um vídeo sobre este tema!
    As pessoas que têm este pensamento suicida dominando elas precisam desesperadamente de ajuda!
    As vezes estamos ao lado ou próximos mas não percebemos e deixamos escapar a oportunidade de ajuda-las verdadeiramente como foi o caso da Lara Rodrigues …
    Sinto muita tristeza com noticias de pessoas que tiraram suas próprias vidas! Como eu sempre digo a todos que já conversaram comigo mais que 20 minutos… Aaa se você soubesse como é bom ser cuidada por um Deus tão amoroso e piedoso como o meu.. A se as pessoas soubessem como é bom servir a Ele com amor !!!
    Por incrível que parece eu estava cercada de cristãos e as pessoas não tinham coragem de falar sobre Deus comigo, eu ouvi coisas do tipo Jesus te Ama, mas pra mim em algum lugar alguém me disse que ele morreu e isso se tornou uma verdade absoluta pra mim! Na minha cabeça ele ressuscitou e depois morreu.. Sei que parece ridículo, mas esta era a minha verdade. Cega !
    E não ouve quem me falasse sobre Ele sem as frases feitas e sim com amor nos olhos e falando de si próprio falando sobre algo que vive…
    Tive que chegar ao fundo do poço aos 17 anos eu tinha duas escolhas ou eu me acabava em tristeza e depressão ( e isso estava bem próximo de acontecer) ou eu procurava ajuda de Deus pois ninguém mais poderia me ajudar!
    Eu cercada de cristãos por mim mesma sem uma única palavra de incentivo e no meu mas silencioso quarto busquei a Ele e o Achei.
    Não estou te escrevendo isso culpando aqueles que não me cercaram de palavras edificantes ou tentaram me evangelizar! Não é isto!
    Mas serviu para mim! Eu desde que me converti sempre disse a todos estes – Porque vocês não me falaram deste amor antes? Sem frases feitas!
    Sei que talvez eu não tivesse ouvido e sei que as coisas aconteceram da maneira como deveria!
    Mas hoje sempre sempre falo para as pessoas que me cruzam de como é bom ter angustias , aflições, temores e ter com quem dividir de maneira plena e absoluta! Como é bom depender do favor daquele que me ama e morreu por mim!
    Faça o vídeo para que todos possamos compartilhar e com certeza pessoas como esta moça que se suicidou poderá ver e encontrar outro caminho! Beijos e Beijos!

    Reply
  • Ai vc acha que tbm esta com começo de depressão e não tem ninguem pra conversar,acho que vou seguir o exemplo dessa menina ai,morrer que passa 🙁

    Reply
  • Fabiana, não se sinta mal por sentir pena de outras pessoas. A pena é a misericórdia. E devemos sentir misericórdia uns dos outros. E eu vejo que isto está faltando nas igrejas. Quando cristãos se deparam com meninas como a Júlia, a tendência é julgar, condenar e sentenciar (as famosas disciplinas…), mas em nenhum momento vejo alguém exercer a misericórdia, afinal, a Igreja é para os doentes e não para os sadios. Ninguém chega para abraçar, afagar, mostrar um outro caminho… os dedos estão apontados, não para Cristo, mas para a condenação. A mensagem não é de amor, mas de sentença. O acusador é Satanás, não nós, e o juiz é Cristo, não nós. Nós somos irmãos, e precisamos ajudar uns aos outros! É tão difícil, não é? Amar pessoas assim! Aquela garota, de apenas 17 anos, precisando tanto de carinho e de alguém que a ajudasse… adolescente com a mente ainda fresca, que podia ter sido ensinada, ajudada, mostrado um caminho… mas ela agora se foi… Como ela existem tantas outras. Espero que isso sirva de lição para mim, para que EU MUDE meu comportamento em relação a elas, e as ajude.

    Reply
  • Nossa… que triste…
    tenho 18 anos, este ano tive princípio de depressão.. poucos sabem, e não sei se já estou melhor. ou sei. nao sei.
    mas eu tenho esperança, e é minha fé que me mantem.. essa atitude é muito grave!
    quase chorei por causa desta garota…

    Reply
  • A diferença da Júlia para um adulto de uns 30… 40 anos é que o adulto consegue controlar um pouco mais seus sentimentos e normalmente não atende a esses desejos suicidas. No mais, a igreja infelizmente está cheia de Julias, novas e velhas, como muitos de nós, que está indo vazia e saindo de mãos abanando. Não porque Deus não se faça presente, mas porque não damos lugar para que Ele atue. Triste isso!

    Reply
  • Nossa, falou tudo o que eu estava pensando, quando ouvi falar da menina que se matou logo pensei isso o ser humano é especialista em esconder a tristeza com alegrias momentâneas, e nós que ja temos conhecimento em Deus sabemos bem que ela foi vitima do inimigo e sabemos como é difícil voltar a seguir o caminho ele nos leva a vergonha total para não termos coragem de voltar, uma pena que ela tenha sido totalmente dominada por sentimentos ruins, e não tenha conseguido voltar para os braços do pai a tempo 🙁

    Reply
  • Olá! Gostei muito do seu texto, fiquei muito tocada com a forma que você escreveu, ficou muito claro que realmente não foi pelo vídeo, já que era algo corriqueiro na vida dela e de outros jovens. Sou ateia, por opção, não por revolta, ódio ou para chamar a atenção, mas apoio muito quem necessita e busca ajuda na Igreja, seja ela qual for. Espero que os pais possam ter acesso ao seu texto, reflitam sobre seus filhos, entendam que nem sempre as mudanças de comportamento se dá ao fato de ser adolescente, e que os jovens precisam de ajuda, um carinho, uma atenção. Abraços, fique em paz.

    Reply
  • Fico triste em saber que essa garota estava passando por coisas tristes e serias,e ninguém alertou os pais ou sei lá tentou ajudar de verdade.Aqui na cidade todo mundo ficou muito chocado com esse acontecimento e infelizmente isso vai se repetir e se repetir hoje,amanhã,depois e depois.
    Fica o alerta e espero que essas pobres garotas possam ter mais fé em Deus acreditar mais em si mesmas,e amor proprio.

    Reply
  • Esta postura da mãe da menina me lembra esta passagem bíblica:
    …a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe. Provérbios 29:15;
    É preciso ter relacionamento com os filhos, os adolescentes são crianças em maturação e é uma fase de muita carga emocional e descarga hormonal. Pais, tratem seus filhos como herança de Deus.

    Reply
  • eu sou um exemplo disso, me desviei a uns quatro anos,hoje tenho 22 e desde ai tenho muitas descepcoes principalmente na area do sexo que na palavra é mais conhecida como prostituição, ja usei drogas,bebidas,farras,sexo, ja experimentei de tudo um pouco, ou muito mesmo, sinto uma carência muito grande de
    pessoas ao meu lado, acho que teria mais forcas pra me controlar. ate a morte já tentei, ja me imaginei varias vezes me jogando em baixo de um caminhão e entrando em coma no hospital ate que eu pudesse sentir quem estaria naquele momento do meu lado e depois morrer satisfeita e com a certeza de quem estaria ou nao do meu lado. muito difícil…muito facil julgar, mas sei bem o que essa garota sentia, só quem ta na pele é que sabe…

    Reply
    • Rebeca, sei que não te conheço, nem seu verdadeiro nome eu sei, mas sei de uma coisa: você não é pior que ninguém pelos pecados que cometeu ou comete, pois Ele diz que todo o que o buscar ele não jogará fora. Flor, pensamentos suicidas já passaram na cabeça da maioria de nós, se eu pudesse te dar um conselho é: não os acalente! O Diabo pode estar dominando agora, cheio de vigor, mas teu Papai nunca saiu do seu lado. Cristo está aí, protegendo, amenizando e esperando você voltar para o colo dEle. Um beijo com carinho!

      Reply
    • Rebeca, também já experimentei coisas nesta vida e me deparei com aquilo que não era o melhor para mim. Mas saiba de uma coisa: há alguém que te ama com infinito amor. E sabe o que ele disse a meu respeito, a SEU respeito, a nosso respeito? “Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora.” João 6:37. Tenha muita certeza disso. E creia, apegue-se pela fé em Seus braços. Sua experiência só você humanamente conhece. Mas Ele, que está além e aqui também, pode te entender completamente e pode nos salvar. Creia nEle, busque-O e procure apoio e auxílio com amigos que você sabe que, nessa hora, vão poder te orientar e ajudar com carinho e da melhor maneira. Deus te abençoe e te guarde sempre.

      Reply
  • Fabi desde d q vc postou ontem no face sobre a Júlia eu n consegui para d pesquisar sobre ela, n sei explicar um sentimento tão intimo e próprio dela me fez chorar, uma dor tao semelhante a que vivo e diferente em diversos aspectos a falta d amor q se sente q n se esta bem nos faz tomar caminhos muitas vezes q parecem n ter retorno, n se descrever com palavras o q sinto no momento, classificar a dimensao da minha dor ao pensar na Júla, um sentimento tao forte q parece q foi minha parente, algo q esta me corroendo, ao pensar q milhares d meninas e meninos estao se perdendo por n enxergar o amor, eu mesmo sem força usando a mascara d garota exemplo e feliz vou a IASD td sábado e domingosou membro batizada desde os 10 anos e hj tenho 22, muitas vezes saio triste e chorando do culto por me sentir um lixo pq n consigo mais sentir aquele primeiro amor, estou em condição laudiceiana e tenho medo d D’US me vomitar d sua boca….assim como a Júlia entretanto com motivos diferentes me sinto vazia.
    Peço q ore por mim, pois apenas sentimentos e pensamentos de suicidas circulam em minnha mente e tenho tanto medo disso,ore por favor Fabi, os seus videos só tem me dado força para tentar seguir em frente, tds eles sem excessao…obgd por se permitir ser usada por D’US e ser luz em minha triste e solitária vida.

    Reply
    • Ô, minha flor! Não tenho como dizer para não se sentir assim, mas posso te garantir que não é a realidade. Olhe ao redor e veja as pessoas que te amam, um Deus que não te rejeita, não importa as falhas que você tenha. Você não precisa ser a melhor, nem mais perfeita como clamam, mas ser constantemente moldada pelo Papai, se entregar para ele te satisfazer. Estarei orando por ti.

      Reply
  • Realmente, dentro da igreja existem muitos que passam por casos parecidos. Muitos jovens que tentam achar carinho e atenção nas drogas, no sexo, na bebida, nas baladas, etc.
    E o grande problema é que a maioria não se compreende, não sabe do que precisa e sai por ai experimentando, para ver se encontra a tão sonhada felicidade; deve-se ensinar aos jovens que é necessário se conhecer, saber do que realmente precisa, “o que” realmente é capaz de nos dar a felicidade, de nos tirar do buraco.
    Como disse o Thiago Falcão, que comentou logo acima, infelizmente não estamos preparados, ao menos não todos, para lhe dar com pecadores, talvez seja por isso que muitos não se abrem.
    Que Deus venha nos dar luz, para sabermos como ajudar tantos que precisam achar o caminho verdadeiro…

    Reply
  • Fabi, adorei sua reflexão sobre os fatos, principalmente por você ter um segundo olhar em relação ao que já havia pensado e escrito… Sua visão sempre realista e minimalista nos aproxima e nos faz refletir também sobre assuntos que de outra forma passariam despercebido, como você mesmo disse fazem parte do dia a dia. Deus continue abençoando seu ministério e que cada um de nós aprendamos como lidar, olhar, falar ou eScrever sobre situações como esSA.

    Reply
  • A depressão é caso sério! Infelizes são os que ignoram os sintomas ou fazem chacota da pessoa em sofrimento.

    Outro assunto a se observar é que a menina tinha medo de voltar para a Igreja. Por quê? Por falta de amigos? Por que muito iriam julgar seus atos e trazer cada um deles a tona sendo indiferentes à vontade de voltar aos braços de Jesus? Por que dificilmente ela conseguiria ter uma vida normal devido aos olhares acusatórios?

    A resposta é um sonoro SIM para essas perguntas. Uma vez perguntei em minha igreja e também na internet e aguardo resposta sincera: Estamos prontos para ouvir de um jovem “Me ajude. Ontem eu me masturbei e preciso de perdão”? Estamos prontos para receber um(a) ex-ator/ex-atriz porno em nossos meios?

    Me pergunto onde está o cristianismo quando lidamos com o pecador.

    Mas apenas indagar essa tipo de coisa não leva a muita coisa. Afinal, se ficasse só acusando quem tem atitude como a descrita acima, não me faria melhor que eles. Estaria pior por reclamar e não fazer nada. A cada dia fico mais desejoso de compartilhar da fé em Cristo com pessoas que amem a Deus e a Suas criaturas acima de qualquer erro.

    Deus tenha misericórdia de nós…

    Reply
  • Atrás de cada história, cada atitude, tem um contexto. Infelizmente é mais fácil julgar as pessoas do que se comprometer em ajudar. Somos assim, essa natureza e cultura individualista tende a colocar máscaras e rótulos nas pessoas, que um ser em sofrimento passa desapercebido. Deveríamos direcionar as pessoas a Cristo do que apenas dizer “Seja forte! A vida é assim, não é fácil mesmo!”. Bom trabalho jornalístico Fabiana.

    Reply
  • Na verdade para muitas dessas jovens que assim procedem, eu acredito, que elas tenham um vazio muito grande que a busca desenfreada de atenção da forma errada, as levam cada vez mais para distante de onde elas realmente gostariam de estar, mais não tem força suficiente de dizer a si mesmas que o pode preencher suas vidas é Cristo, e para quem já conhecia um pouco a Deus, mostra ainda que não verdade não conheciam nem a si mesmas, e nem se amaram ao ponto de descobrir e sentir o verdadeiro amor de Cristo, que preenche todo o espaço vazio e traz sentido a vida. Vale a pena descobrir a Jesus todos os dias!
    Hebreus, 4:6 e 7, 12.
    triste!

    Reply
  • Realmente esse é o nosso mundo real! Que cada dia mais as pessoas se tornam menos pessoais e vivem de aparência… Nós como cristãos temos que pedir direção do alto para não julgarmos as pessoas e sim ajudarmos mais. Tem muitos jovens ao nosso redor que precisam e não temos a sensibilidade de reconhecer.
    A infância e a adolescência de hoje tem sido muito mais dura que a de tempos atrás. Acredito que “inocência” as brincadeiras de crianças tem se perdido muito cedo. Eu no meu tempo brinquei de boneca até uns 14 anos e meu primeiro beijo foi por ai também! Hoje com essa idade tem meninas que são mães… Temos que clamar e trabalhar em prol de nossas crianças e pedir misericórdia a Deus!

    Reply
  • Eu sempre olhei p essas pessoas sabendo q na vdd o que faltou foi um carinho um colo um amor . Felizmente eu que sou orfã, encontrei esse amor em Jesus e não passei por isso Mas fico triste como se fosse comigo.

    Reply
  • Que triste… Sim, tem menina que faz e divulga porque gosta de ser vista como safada mas, todas, sem exceção, querem atenção. Como o sexo é algo que chama muita atenção, muitas usam isso como grito de desespero…

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *