Mais sexo, por favor!

Mais sexo, por favor!

Eu viajo muito por aí pregando e palestrando sobre e para mulheres. Gosto de ouvi-las no final e sempre guardo os bilhetinhos que recebo, ainda que alguns sejam raivosos como o que recebi dia destes depois de um longo dia falando sobre submissão, sexualidade e vaidade. São temas que atingem, de um jeito ou de outro, todas as mulheres. Não importando região, nível social ou educacional. Mulher, afinal, não é tão indecifrável assim.

Mas eu falei do bilhete e nele vou me ater, pois achei curioso. Numa das palestras convoquei as mulheres a fazer mais sexo com seus maridos, a pensar mais no assunto, a procurá-lo, surpreende-lo e fazer as vontades do maridão que pensa e precisa mais de sexo do que a maioria das meninas, por conta do tal testosterona. Sim, falei isto. Chocou? Mostrei com pesquisas que os homens precisam aliviar a produção de sêmen a cada 72 horas e que as mulheres são preguiçosas crônicas quando se trata de sexo, sobretudo se já são casadas. Esta parte é minha intuição pouco científica, ressalto.

Daí veio o bilhete. Chamarei a remetente de Bia, para não expor a garota, estudiosa de Ciências Sociais, segundo ela me colocou e com 21 anos. Para não correr riscos de ser injusta, transcrevo:

“Fabiana, sou formanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de XXX e fiquei horrorizada com tamanho retrocesso que vi em sua palestra. Não pude me calar, pois convocar mulheres a fazer sexo com seus esposos e se submeter a tal submissão física em pleno século XXI depois de tanto sofrimento para tamanhas conquistas feministas que tivemos é ultrajante!”

O bilhete continua me chamando de retrógrada, machista, burguesa (??) e outras coisas pouco lisonjeiras. Tudo bem, se quer me odiar, vai ter que procurar lugar no final da fila, mas tem toda liberdade pra faze-lo. Como não conheço a moça e não tive oportunidade de responder, o faço aqui, para todos que por ventura pensem o mesmo.

“Querida futura socióloga ou o quer que queira fazer com sua formação. Obrigada por ouvir a palestra e fazer parte do auditório ainda que, pressuponho, não tenha aplaudido. Você tem direito de ter sua opinião quanto às conquistas feministas e abominar um discurso que, em essência, prega a submissão cristã (não só ao marido, mas à Deus), mas eu tenho horror mesmo é de constatar que uma mulher cristã possa pensar de outra forma. Bom, já que teve liberdade para me jogar seu discurso, peço licença para explicar rapidamente o meu. Vejo em tudo quanto é publicação, de revistas, livros à panfletos, passando por televisão e vídeos no YouTube, “especialistas” que pregam o prazer livre feminino. Encorajam o sexo casual e constante com qualquer macho que lhe corte a frente como forma de autoconhecimento, de exercer a liberdade conquistada com a fumaça dos sutiãs. Daí vejo amigas e colegas se esfregando à noite, para chorar de manhã o seu valor que sente diminuir por entregar o corpo a quem não quer sua alma. A dividir a cama com quem não quer dividir a vida, a expor sua intimidade a quem não liga para sua fragilidade. E uma estudiosa como você vem dizer que isto é mais avançado que ter sexo sadio e constante com o marido com quem você jurou viver diante de Deus? Pra mim não faz muito sentido. Sexo é a união carnal de dois seres que, antes, são espirituais e, vivendo sob a luz de Cristo, querem se consagrar, se unir e se melhorar para encontrar seu Salvador. Este mesmo Deus que deu o sexo de presente para esta relação estável e abençoada. O mesmo sexo que é pra procriação e prazer (serve para algo mais o clitóris?). Pois bem, prefiro pregar para as mulheres e conclama-las a satisfazer seus esposos e procurar ser feliz sexualmente do que validar um discurso falido e vazio de que precisam exercitar sua sexualidade com masturbação ou com todos os homens que lhe quiserem. Desculpe a “antiguidade” dos meus valores, são mesmo tão velhos quanto a criação.”

67 comments

  • Olá Fabi, concordo em parte com você. É muito mais saudável pro corpo e pra mente ter apenas um parceiro sexual. É o caso aqui nem é sobre parceiro sexual, é sobre casamento, vida, amor. Todos somos submissos a Deus.
    Mas penso que as mulheres já sofreram e ainda sofrem inibição de sua sexualidade e muitas ainda são vistas pelos seus próprios maridos como obrigação de darem prazer, como se a sexualidade da própria mulher não existisse. Como se ela não tivesse vontades e “desvontades”. Se o casal está com problema sexual, não cabe a você falar que as mulheres precisam fazer mais sexo, pois vc não sabe como é o sexo pra ela, se ela tem prazer, se o marido dela se preocupa em satisfazê-la, ou se simplesmente ele tem prazer. Cabe a indicação de uma sexóloga. Pois reduzir o sexo à submissão da mulher não adianta em nada no avanço da autoestima e prazer a mulher, visando que há muitos anos mulheres são estupradas por seus próprios maridos e nem se dão conta disso, quando o marido quer fazer sexo e a moça não, e ela se submete à isso é uma situação extremamente humilhante pra ela.
    Acho que as mulheres precisam aprender a gostar mais do sexo, mas isso tem tudo a ver com o modo de como o marido ajuda ela a desfrutar desse prazer e se dedicar a satisfação da mulher. Na verdade ambos têm de se dedicar a satisfazer o outro.

    Reply
  • A Afetividade sexual tem que agradar ambas as partes.
    Os dois têm que estar em sintonia, concordando com a mesma intensidade e aptos para tal ato.
    Eu como mulher me recuso a me relacionar sexualmente com o meu marido se for só para o satisfazer e não me sentiria bem se o meu marido se relacionasse comigo pensando somente na necessidade do tal alívio. Na nossa visão o ato sexual tem que agradar os dois e ser muito além de um mero prazer sexual.Tem que ter afeto, amor, carícias , romance, te são, é muito mais amplo do que só aliviar …Transar só para aliviar é um ato muito egoístico, vulgar e sem amor próprio ninguém deve dispor do controle do seu próprio corpo quem dirá do seu valor e essência de ser.O verdadeiro amor é lindo está sempre satisfazendo e trazendo bem estar para o casal.

    Reply
  • Eu fico animada quando leio um artigo como esse. Devo admitir que nosso país e o mundo decaiu muito no meu ponto de vista. Digo isso pois a mulher se tornou vulgar com maior facilidade para tal,se tornou independente demais até que decidiu não se casar e optar pelo sexo casual porque quer ser “Livre”. O casamento foi instituído por Deus, e a liberdade que temos de expressão e de sexualidade explodiu de uma forma inesperada que a maioria não conseguiu administrar isso. No final de tudo isso, vemos a Infelicidade no rosto da maioria das mulheres,pois é como vc disse,a noite dorme com um cara que não se importa absolutamente com você, e quando não é cristão é ainda pior,pois,ele não se importa nem com seus sentimentos. Concordo Fabi com você pois é dessa maneira que muitas jovens adventistas tem se perdido.

    Reply
  • Super concordo que temos que satisfazer nossos maridos. mas concordo mais ainda que devemos nos satisfazer. Num ta com vontade… conversa, expõe o que esta acontecendo, pede carinho mesmo. Engraçado como pretendemos lutar por nossos direitos e na hora boa muitas tem vergonha de dizer não ou não sabem reclamar o que querem. Não ta com vontade não faça, tá mais ou menos converse, ta com vontade parte para cima. Se soubéssemos conversar mais com nossos companheiros da vida toda , nada é melhor. Sem falar que sexo cura quase tudo, dorme melhor, e faz bem. Amei o poste como todos os outros.#fabidemais.

    Reply
  • Os direitos conquistados pelas mulheres ,não anula em nada ser submissas aos maridos ,mulheres cristãs ,devem sim, ser submissas aos maridos! e se o marido for cervo de Deus ele vai valorizar a sua esposa ,se existem homens que não amam suas esposas, não as respeitam ,tratam as como uma prostituta qualquer ,e querem fazer sexo apenas para satisfazer-se ,não se importando com o bem estar da esposa ,estes tais não merecem ter uma esposa ! fiquem solteiros ! e as mulheres que não gostam de sexo por que se casam ? fiquem solteiras vão trabalhar para o senhor.

    Reply
  • Oi Fabi!!!! Que Deus a abençoe pela coragem em falar o que é necessário ser dito. Muitas mulheres precisam parar de serem vítimas e passarem a tomar as rédeas do seu casamento. Como é bom cultivar a intimidade com o marido. Meu casamento já passou por traição de ambos os lados, já trabalhei em 5 empregos por fuga, entre outros grandes problemas. Mas Deus em sua misericórdia nos restaurou. Eu busquei ao Senhor, orei quando não tinha forças para orar, e hoje trabalho em um emprego, meu marido é o sacerdote da nossa família, é batizado e nossa família ora para que Deus nos dê a bênção de termos uma igreja em nosso lar. Temos ainda muitos problemas, mas nosso alicerce esta seguro. Temos o foco em Jesus. E a cada dia busco mais e mais sabedoria de Deus para fazer meu marido feliz. E porque não orar por nossa vida sexual? Oro para que Deus me dê ânimo, estou na luta pela obesidade, o que também atrapalha muito pelo desânimo….que Deus fortaleça sua vida. As mulheres precisam temer a Deus. Só assim terão sabedoria vinda do trono. Eu e mais 30 mulheres estamos lendo o livro Mulher V a cada manhã. A mulher virtuosa não se cansa, não se contenta. Ela quer mais e mais em prol de sua família e de seu esposo. Fica com Deus querida. Um beijo enorme!

    Reply
  • Acho que muitas mulheres que aqui escrevem são frustradas sexualmente e acabam generalizado tudo. Não vou entrar no mérito do feminismo porque não concordo com 10% do que elas querem conquistar. Quanto a diferença de vontade mulher /homem, lavar a louça,fazer a janta, um chocolate, uma flor, pode equilibrar esse placar. Não é suborno ou prostituição, mas agradar sua esposa e dar bastante ênfase na preliminar, beijos,carinhos.

    Reply
  • Ola Fabi.
    Em relação ao sexo tenho uma duvida muito grande.
    Comecei a namorar meu noivo aos 13 anos, hoje temos 19 e ainda não praticamos o ato sexual.
    Porém gostaria profundamente de entender porque seria pecado se assim fizessemos, mesmo após seis anos de relacionamento. No momento nós dois cursamos medicina e gostaríamos de terminar a faculdade e ter renda antes de nos casar e sem hipocrisia digo que se torna cada dia mais complicado nos mantermos virgens até o casamento.
    Aguardo sua resposta, e um super beijo.

    Reply
  • Sabe, em frente ao posicionamento da Fabi vejo muita mulher falando “mas e eles?”, “eles poderiam fazer isso ou aquilo”, “porque só nós que temos que procurar?”, “isso é humilhante”. Não se esqueçam que esta foi uma palestra PARA MULHERES. E neste sentido devemos pensar no que podemos fazer para melhorar o casamento. A nossa parte, sabe? Eles? Eu não sei o que eles devem fazer para melhorar (ou talvez até saiba), mas não posso cobrar se eu não fizer a minha. Não posso deixar de fazer porque ele não faz. A mulher sábia edifica seu lar, santifica seu esposo. É bíblico. Adorei o texto, Fabi. Amo o discurso da submissão. Sou submissa ao meu marido e sabe o que eu ganhei com isso? Um esposo que me trata como uma rainha, está sempre disposto a cuidar das minhas necessidades e todo esse respeito que recebo dele, devolvo com mais honra ainda. “Beijo o chão que ele pisa” e ele o meu. Rsrs. É um ciclo sem fim de honra, amor e respeito mútuo. Sabe aquela coisa de “vós, mulheres, sejam submissas ao seu marido, e vós, maridos, amem a sua mulher como Cristo amou a igreja a ponto de morrer por ela”. Pois então.

    Reply
  • Boa tarde Fabi, que assunto bom esse! Mas há controversas!
    Primeiro que a moça do bilhete não mencionou o sexo casual como o correto.
    Como leitora e evangélica, acredito na submissão A DEUS, pois Ele é nosso Senhor salvador. Ao homem, acredito no respeito e tratamento de igual a igual.
    Muito se fala na submissão… da mulher e nada ao homem.
    Ora, do mesmo jeito que os homens tem os seus desejos, a mulher também tem, em seu determinado tempo. Deus não fez nada inacabado, incompleto. Se fez o homem com a necessidade maior, com hormônios a flor da pele e a mulher não, algum motivo tem. Creio que é através desses dois extremos que Deus quer que exerçamos o livre arbítrio e auto-controle (no caso para não desejar outra pessoa sem ser seu parceiro).
    Fazer sexo sem vontade se torna obrigação e até onde bem entendo e vivi, não há nada pior para a autoestima.
    Infelizmente vemos inúmeras mulheres que por tamanha submissão, tem depressão como transtorno. A partir do momento que o homem sabe que a mulher faz tudo o que ele quer, até mesmo sexo sem vontade ele vê como sua mulher é dependente dele. E não é de hoje que vemos que a partir daí, pode vir coisa pior, como agressões, assédio moral e por aí vai… chegar a morte não é novidade.
    Eu entendi o que a moça do bilhete quis dizer e se eu estivesse na palestra, questionaria se fazer sexo dessa maneira é a mais sensata, visto que o marido também pode fazer por onde. Ele também pode procurar sua mulher, basta ele conhecer a esposa que tem, do que ela gosta… ser um eterno namorado. Homem que quer se aliviar, o mundo ta cheio. Homem para namorar com sua esposa, está escasso, pois é muito cômodo esperar que sua esposa esteja sempre a sua procura com a intenção de saciar (a ele).
    Não é a toa que as mulheres lutaram tanto para que hoje podemos andar, falar, fazer e ser o que somos, pois são aceitações como essa que motivaram para tal ato de libertação, posso assim dizer.
    Sempre ouvimos que julgamento só vem de Deus, não do homem, o que dizer então desse estereótipo de que a mulher que faz sexo casual é infeliz e vazia? (Mais uma vez, ato que assim como a submissão, não inclui o homem e seu comportamento)
    A mulher resolvida consigo mesma saberá o que é melhor para a vida dela, seja sexo por uma noite ou por uma vida. Antes de levantar a bandeira dizendo que mulher infeliz é a que faz sexo casual e feliz é a mulher casada, temos que ver que não é bem assim… Vemos mulheres infelizes em seu casamento, tristes com seu parceiro e logo, reflete na vida sexual do casal. Essa é feliz? Será mais feliz se com todas essas conturbações, procurar o seu marido para ele “se esvaziar”?
    Da mesma maneira vemos mulheres que fazem sexo casual e são felizes consigo mesma, não podemos julgar e generalizar, a missão de julgar está nas mãos de Deus. Veja, estou falando de felicidade e bem-estar.
    Existe o livre arbítrio, basta saber usá-lo. Assim como temos que saber qual o limite da submissão.
    Grande beijo!

    Reply
    • Falou tudo! Não consigo imaginar um Deus que peça as suas filhas se diminuírem e sofrerem para satisfação de homens que as tratam como objeto. Pq sim, um homem que não se importa se vc quer ou não fazer sexo com ele, mesmo sendo seu marido, esta apenas te vendo como objeto sexual. Vamos parar com a tradição de que o homem precisa mais de sexo que a mulher! As mulheres é que precisam de mais respeito!

      Reply
    • Oi Jéssica!
      O que entendi do seu texto foi que vc é condizente com a pratica do sexo casual!
      Saiba você que sexo casual é imoralidade sexual, é prostituição, a Bíblia, pelo menos a minha, é bem clara quanto a isso!
      É errado, é pecado, e além de não trazer beneficio algum a mente e ao corpo de que o pratica, você esta desmoralizando e prostituindo o templo do Espirito Santo de Deus, o seu corpo!

      Reply
    • Oi Jéssica,
      Como homem eu entendo o que a Fabi colocou. Não é pra você fazer sexo com seu marido sem vontade, mas se dedicar mais a essa parte do casamento. Eu como homem me esforço pra corrigir minhas falhas, pois se deixar pelas vias normais acabamos nos acomodando em todas as áreas.
      Existe realmente na mulher um desejo menor por sexo do que nos homens, em sua maioria pelo menos. Não acredito que um cristão casado queira apenas sexo com sua esposa, pois isso não satisfaz, eles querem romance também. Porém o desinteresse de algumas mulheres pelo assunto é tanto, que eles tem que se satisfazer com “o que tiver pra hoje”, e isso é muito ruim par os dois.
      Acredito que o que a Fabi quiz dizer é: dedique-se a ter realmente uma noite de prazer com seu marido, pois como sabemos a mulher precisa de mais tempo para se sentir no clima, por isso deve pensar nisso durante o dia, pois se esperar para o marido chegar em casa para que as coisas comecem a acontecer vai ficar mais difícil.
      As vezes brinco com minha esposa dizendo: “mulheres não são românticas, elas gostam de romance”. Pois sabemos que vocês gostam de jantares a luz de velas, café da manhã levado na cama de surpresa, um presente sem ter uma data comemorativa e por ai vai, o problema não está em gostar disso, mas de não retribuir da mesma forma, acho que esse é o ponto.
      Sobre a submissão, a minha colocação é a seguinte: é muito difícil ter duas pessoas no “comando”, e é muito difícil chegar a algum lugar sozinho. Sendo assim, precisamos de alguém que comande e de alguém que dê suporte. Pra mim as duas tem a mesma importância, é uma questão apenas de funções definidas. Eu não estaria onde estou hoje se não fosse o apoio da minha esposa (talvez devesse dizer mais isso à ela… rsrs), e mesmo nos momentos em que tomei decisões erradas ela me apoiou, pois sabia que algumas coisas só aprendemos com as experiências, sejam elas boas ou ruins.
      Eu não me sinto menor por fazer parte de uma equipe, e acho que a mulher não deveria se sentir também. Tenho exemplos de várias mulheres que resolveram tomar as rédeas de suas famílias, tomando o papel que inicialmente seria do marido. Com o passar dos anos virão que a carga era muito pesada, e que agora tinham um marido que simples se acomodou com a situação, deixando a carga ainda mais pesada. Foi uma escolha que todas, sem exceção, se arrependem de ter tomado. (pelo menos as que tive oportunidade de conversar)
      Finalizando Jéssica, peço desculpas se algumas de minhas palavras pareceram rudes, pois em momento algum essa foi minha intenção.
      Desejo tudo de bom para você, e com certeza acho salutar esse tipo de discussão.
      Fica na paz…

      Reply
      • Oi Sandro, você colocou a melhor resposta aqui! Não foi machista, foi sóbrio, realista. Combinou a vontade de Deus com o que nós temos que fazer. Essa é a receita do bolo.
        A Jéssica puxou para o lado feminista, da igualdade onde todos fazem a mesma coisa. Mas a verdade é que Deus quer cada um fazendo o seu próprio papel. Que Deus continue abençoando-o grandemente, pois suas palavras foram muito sábias.

        Reply
  • Cara Fabiana,
    Tudo bem?

    Eu cheguei até seu blog graças ao vídeo em que vc fala sobre maquiagem que por curiosidade resolvi abrir. De cara percebi que vc era adventista. Eu estudei no UNASP durante uma época e convivi com muitos de vcs para perceber isso. Fui casada com um teologando, que me agrediu de formas horríveis e o que ouvi na igreja dele era: “vc precisa ficar junto dele, orar por ele, pq ele precisa de vc agora”. eu engravidei antes de casar e fui tratada como a tal da “cachorra” (cujo o nome vc já mencionou em vídeos: a menina que “transa” – e que era uma boba na época não pelo sexo, mas pq a repressão muitas vezes me fez apenas me afastar o quanto pude do sexo e não me instruir. sou uma pessoa estudada, vivida, mas acredite que até hj – e vc deve ter conhecidas assim – isso acontece).

    Depois eu também fui pra universidade pública e fui obrigada a conviver com pessoas diferentes de mim. E aprendi lá mais sobre diferença e diversidade que em qualquer outra bolha, de onde a gente sai “separado” ou “evitando” ou com “piedade” do diferente.

    Como você mesma disse em outra publicações, não dá para “convencer” uma pessoa que tem opiniões diferentes enraizadas, porque elas não vão mudar – simplesmente porque não há interesse. Mas eu gostaria de te dizer (com todo o respeito, acredite), que você precisa ler mais sobre o assunto no que tange a feminismo e etc e fazê-lo sem os seus preconceitos. Vc tem uma visão muito pequena e comprada da questão. O feminismo luta pela emancipação das mulheres no sentido de autonomia delas. Luta inclusive pra que vc possa ser ouvida, leva a sério. Se você quer transar com um cara em uma noite, que isso aconteça de forma que ele te respeite como mulher (acredite: o mundo é grande e isso acontece!) ou que se vc “escolher esperar”, que não seja tratada com preconceito ou, como já ouvi, que não façam pouco de você porque “mulher que é mulher tem que saber transar” (????).

    Quando a futura sociologa/cientísta política/antropóloga, que deve ser respeitada e não tratada de forma jocosa, te chamou de burguesa, ela estava dizendo (de forma grosseira, confesso), que você tem ideiais burgueses (a burguesia sabe? séc, XVII por exemplo) de que a mulher tem que ser um “modelo ideal”, puro e que sirva para o “casamento”.

    O feminismo conquistou muitas coisas: vc trabalha fora, vota, coloca suas opiniões de forma livre e devemos ser muito gratas a isso tudo. A própria posição da Ellen White é uma posição feminista, no sentido de que ela resistiu a muito preconceito – imagine pra aquela sociedade, uma mulher sendo chamada de “a última profeta”?

    Apenas não queremos ser objetos: não só aquele em que o cara vai, come e depois denigre (sendo que ele mesmo participou do ato – vê?), mas também como o objeto de “adoração” – a mulher santa que serve só pra casar e que quando ele percebe que ela tem suas vontades próprias, pensamentos e pontos de vista pessoais, ele fica “ofendido” , já que ele “não sabia que bibelô falava”. Entende?

    Ser “comunista”/ “feminista” (entortando o nariz), de ensino médio, não é a mesma coisa que anos de estudo, que um olhar sem preconceito, aprofundado. Bem como ser adventista (e isso vc pode me dizer melhor), não é só dizer o que te disseram: é esmiuçar, estudar, desvendar, tudo isso.

    Não faça pouco da profundidade dos estudos que as pessoas fazem, assim como vc tb o faz só que na sua religião.

    Com humildade e com um abraço me despeço, aberta ao diálogo.

    Reply
    • Oi, Pri! Seja bem-vinda e claro que aceito todas as opiniões. Aliás, concordo muito contigo no que tange ao feminismo e as conquistas reais, mas tenho mesmo uma certa birra com esta coisa comercial e capitalista que se tornou e intolerante (em muitas alas, pois nem mesmo dentro do feminismo há consenso sobre limites e esferas). Aliás, acredito que o fato de poder falar livremente me veio das conquistas das (e dos feministas), mas também de um avanço social inevitável e inerente a ele. Bom, acho que concordamos em muitas coisas e no que não concordemos, respeitemos! Um beijo enorme, flor!

      Reply
  • Moça, você é machista sim! Machista e arrogante. Machista por impor como deve ser a vida sexual de uma mulher (vide as mulheres frustadas por não se encaixar na sua imposição dos comentários) e por julgar o “livre prazer”, sendo que a pessoa do bilhete nem citou isso. Arrogante pelo seu discurso que desmerece a formação da pessoa e a luta feminista. Não irei me delongar no comentário, sugiro apenas que exponha a sua opinião sem desrespeitar o outro.

    Reply
  • Olá, Fabiana! Super curti seu livro e sua resposta a esta moça cristã e feminista (coerência cadê???).
    Eu e algumas amigas trabalhamos há algum tempo em uma página no facebook, esclarecendo a muitas mulheres e homens sobre a importância dos valores morais. E buscamos esclarecer dúvidas sobre a verdadeira face do feminismo. Uma pessoa que realmente seja cristã não pode ser feminista. O feminismo defende e luta a favor de muitas causas que vão contra nossos princípios (aborto, maconha, prostituição, casamento homoafetivo, etc.). Além do que é completamente vergonhoso ver uma mulher cristã defender tal movimento onde suas militantes prostetam por aí mostrando seus seios dizendo: “meu corpo, minhas regras” e muitas outras frases completamente absurdas, em uma passeata intitulada por elas de “Marcha das Vadias”.
    O feminismo só ajudou a destruir a moralidade de nossa sociedade. Convido você e os demais leitores a conhecer nossa página e aprender com fatos e fontes históricas o que é realmente este movimento do mal chamado feminismo.

    Reply
    • Cara Leia,

      Então você acredita que uma moça nao pode ser feminista e cristã ao mesmo tempo?
      Portanto eu devo me calar e aceitar assédios, salarios menores, agressão, estupro entre outras coisas? O feminismo luta pela emancipaçåo da mulher, o que inclusive é um tema abordado pela própria Ellen White. No Mensagens aos Jovens ela afirma que os rapazes precisam procurar mulheres independentes,
      que gostem de trabalhar, estudadas para se casarem e dentro do proprio casamento, nenhuma das duas partes deve ser anulada. Os dois devem se tornar um mas manter a sua individualidade. Eu espero que você se informe mais sobre as lutas feministas que não, não se resumem a aborto, legalizaçåo da maconha entre outros aspectos citados por você. Abrange o nosso direito de andar livremente na rua sem sofrer assédio, de estar em uma relação onde você seja ouvida, amada e acima de tudo respeitada como ser humano que é, de, se um dia sofrer agressão que tenha a quem recorrer e tantos outros nichos que afetam a minha e a sua vida também. Por fim, o feminismo também é necessário para as mulheres que vivem em países de região islâmica e que sofrem repressão todos os dias. Que precisam se esconder embaixo de burcas, que não tem voz. Que só são valorizadas se estiverem ao lado de um homem e olhe lá. Que são mortas todos os dias tão somente por serem mulheres.
      Na minha opinião é possível ser feminista e continuar seguindo os princípios da fé cristã… Deus me criou com perfeição, com carinho e cuidado para que eu fosse tratada com respeito. Todas nós somos as meninas dos Seus olhos.

      Que Deus te abençoe!

      Reply
  • Fabiana: adorei o que vc escreveu! Sou médica em Cascavel – Pr e atendo pacientes e casais com queixas sexuais diariamente. É preciso saber que o uso de anticoncepcionais faz com que os niveis de testosterona (hormonio responsavel pelo desejo sexual e sensibilidade clitoriana nas mulheres) caia demais, alterando a vida do casal. Menopausa é outro problema, tanto pela queda da mesma testosterona, mas mais pela queda do estradiol, responsavel pela lubrificaçao vaginal. Sem ele, a mulher tem dor para ter relação. Anticoncepcional tambem faz cair esse mesmo estradiol. Isso sem falar em anemia, alteraçoes da tireoide (que dá sono e preguiça), etc… Se quiser posso esclarecer duvidas medicas para vcs e/ou suas ouvintes. Faço isso para uma amiga que dá palestras sobre intimidade feminina aqui tambem. Meu face é Raquel Camargo. Estou à disposiçao. Grande abraço.

    Reply
    • Oi, doutora! fiquei muito feliz com o seu comentário e pode esperar que tenho muitas perguntas pra te fazer. Enviarei por e-mail! beijocas e passe sempre por aqui!

      Reply
  • Olá Fabiana sabe eu concordo com você, devemos sim ter um pique para acompanhar o marido , sim temos todo um conjunto de fatores que nos diferem deles graças a DEUS , mas se não nos animar-mos com o marido com quem será? ?? E se eu não estimular meu marido não estarei dando espaço pro acaso? ?? Temos que esquecer casa filhos trabalho e ir preparar-se pra ele pois so teremos um marido cheiroso amoroso romântico se o fizermos ser assim , não adianta deixar os anos passar e não cuidar dessa parte pois homem sempre é um tanto descuidado mas com carinho e amor tudo passa a ser estimulante e sadio ,não ser escrava sexual tendo que ceder a ele se sentindo usada não mas partilhar com ele tudo o que faz bem ou mal que vc gosta e não gosta tudo deve ser falado pra que nenhum se sinta ofendido ou usado , outras coisas férias lugares momentos devem ser aproveitados sair fora do estresse do dia a dia dos problemas familiares, vale a pena sempre tentar renovar recomeçar pois o casamento também dependo da vida sexual do casal pois o inimigo está lá fora colocando mazelas aos olhos dos dois por isso creio eu que se sintonizar é a melhor coisa a fazer , grande bjoo espero que você um dia possa vir prar Ponta Grossa -PR será muito bem vinda…

    Reply
  • Queria Fabiana, muito prazer.
    Fiquei conhecendo o seu trabalho esses dias lá no facebook, no grupo adventistas do sétimo dia onde um dos membros parece ser fã seu e publicou um de seus vídeos do you tube numa postagem. Assisti aquele vídeo e depois os outros e virei fã. Péns pelo barablog, pelo vlog..
    Amei seu blog, também. Ele é muito lindo e muito bem escrito.
    Parabéns.
    Um beijo e muito sucesso.

    Reply
  • Excelente seu trabalho Fabiana,admiro muito vc!!concordo plenamente com o que vc fala,estou pensando aqui agora: Ah! se meu marido estivesse aqui agora…mas deixa só ele chegar …rsrs…
    É isso que falo pra minhas amigas que são casadas,noivas,e as que pensam em se casar (só depois do casamento eh claro),enfim sempre defendi essa tese se podemos dizer assim,muitas discordam confesso.Mas é isso que faz tbm a diferença no casamento!!curto muito seus posts,é isso aí só queria passar aqui no seu cantinho e deixar um recadinho e um abraço!!!e queremos sua presença de volta aqui na FAAMA(Faculdade Adventista da Amazonia),melhor vamos implorar para o diretor geral e a diretora da Afam pra trazer vc de volta!!bjss sua linda!!!

    Reply
  • Fabi Bertotti gostei muito da espontaneidade de suas publicações, confesso q desejaria q vc fosse a igreja na qual congrego, IASD Barra avenida ( Salvador Ba), que Deus continue te usando para propagar a luz da palavra como devemos como cristãos viver…

    Reply
  • Boa noite Fabiana!
    Seu artigo é incrível. Inacreditável é notar que ainda existam bloqueios sobre sexualidade na mente de muitos cristãos. Na verdade, OUVI este post outro dia na rádio novo tempo, ao dirigir por ai. Você poderia por favor, ceder o podcast deste artigo? Obrigado!

    Reply
  • Acabo de ler todos os textos do teu vlog após assistir o video “sexo pode” in youtube. Gosto muito do teu estilo e da maneira como, de forma simples, você transmite a mensagem que muitas vezes é conhecida, porém fazendo com que esta se torne atraente e marcante. Estudo teologia no Salt – IAENE e gostaria de um futuro contato para possibilitarmos uma ida tua para lá. Que Deus continue te guiando e a tua família.

    Reply
  • Oi Fabiana!!!
    Descobri seu cantinho faz pouco tempo….mas passou a fazer parte dos meus prediletos!
    Li seu texto, sua resposta e gostaria de expor minha opinião…..
    Como vc sabe fisiologicamente a mulher é extremamente mais complexa que o homem, por conta de todos os hormonios e funções distintas que eles possuem, por conta também do funcionamento distinto do cerebro, das emoções, etc.
    Nesse contexto aconselhar uma mulher a fazer mais sexo do que ela gostaria e desejaria fazer, só para agradar seu marido, me parece no mínimo anti natural, eu entendo que eles precisam de mais sexo que nós, porem só porque eles precisam não quer dizer que precisamos nos submeter.
    Sou casada, tenho 2 filhos, trabalho fora, trabalho em casa e essa é a realidade de muitas mulheres hoje em dia, não quero justificar nem condicionar a sexualidade à esses fatores, mas a mulher precisa de sossego de concentração para que o sexo seja algo prazeroso, para a mulher o sexo começa na cabeça, ao contrario do homem, que sempre esta pronto e disposto, se existe um problema rondando a cabeça feminina, fatalmente o ato vai ser bom pra um e não tão bom para a outra parte envolvida. Se o homem esta triste, estressado, com problemas no trabalho, com problemas com os filhos, se o time dele ganhou, se o time perdeu, se não tem nada pra fazer, em fim….quase tudo se resolve com sexo, para a maioria das mulheres as coisas são mais complicadas.
    Por esse motivo eu sou da seguinte opinião: faça se estiver a fim, se tiver vontade, não por obrigação.
    Quando o sexo é feito por obrigação acaba desconfigurando o proposito de Deus, que é o de que os dois sintam prazer a ligação tem que ser perfeita para ambos, se não, não existe ligação.
    Já fiz muito sexo sem querer, por obrigação e pensando em contas pra pagar, nos filhos que estavam crescendo, na casa que precisava ser limpa….e percebi que ao inves de me aproximar isso me afastava do meu marido, pq eu me sentia usada, como se eu fosse um objeto e tivesse como função satisfazer e suprir as vontades dele. “Ora o prazer foi feito pra mim tb” eu pensava…. e isso me atormentava, como contentar os dois??? como satisfazê-lo sem ferir minha individualidade? sem anular a minha vontade?
    Não existe receita pronta, não existe magica, o que existe é respeito e amor ele respeitando minhas negativas e eu respeitando a vontade dele. Mesmo pq meu marido sabe que mesmo demorando um pouco…. quando acontece é inesquecivel…e eu aproveito tb.
    um beijo pra vc!

    Reply
    • Concordo contigo, flor! Esta resposta foi mais no sentido de condenar esta ditadura de sair fazendo sexo por aí e quando o assunto é melhorar a questão sexual em casa, parecer subjugação. Mas, assim como você expôs, concordo que temos menos vontade e disposição e nosso ritmo (dado por Deus) é diferente do deles. Obrigada por escrever aqui e enriquecer o debate. Beijocas

      Reply
  • Olá Fabiana. Minha namorada chama-se “Fabia”, quase charás rsrs.
    Olha gostei muito do seu post. Acho que hoje em dia mesmo no meio cristão tem se perdido os princípios e valores cristãos.
    Bom, como é dificil fazer que algumas pessoas entendam o proposito de Deus? Mas como diz o Apostolo Paulo, “o homem carnal não entende as coisas espirituais”.
    Querida gostaria de saber se vc pode vir em nossa comunidade passar um sabado? Quem sabe falar pros homens também rsrs
    Bom fica o convite. E parabens mais uma vez pelo post. Divulgue mais seu ele…rs 🙂
    Fique com Deus nosso Pai”

    Reply
  • Olá Fabiana Bertotti palavras sábias, amei seu post, concordo plenamente com você..e finalizando suas palavras serviram pra minha vida. Abraços Querida 🙂

    Reply
  • Jussara já disse um pouco do que penso. “Bia” também, mas com algum exagero e equívoco. Creio que o problema criado por seu discurso foi reduzir o prazer da mulher a dar prazer ao homem. As mensagens aqui deixadas de mulheres que não conseguem ter prazer no sexo com o marido, amado e escolhido por Deus, ou seja, não há nada de casual, nos ajudam a entender como o prazer da mulher vem sido esquecido, ignorado e até reprimido no âmbito da igreja cristã, inclusive em palestras que se propõem a orientá-las sobre isso. E não, não seria preciso dirigir a palestra aos maridos. Desde que as próprias mulheres fossem bem informadas e orientadas, elas mesmas poderão promover essa abertura e conquista em seus relacionamentos.

    Reply
  • Fabiana, sua resposta foi dirigida por Deus. a desvalorização da mulher esta em pensamentos progressista de pensadores que não tem o temor de Deus em suas vidas. Realmente é muito triste ver nossas mulheres que conversa ser cristão, adotar tal estilo de pensamento para sua conduta diária. Que Deus te abençoe, que você levante sempre a bandeira da boa conduta cristão

    Reply
  • Sou casada a pouco tempo…no começo não foi fácil…mas o que ajudou e ajuda muito é a conversa…o diálogo é fundamental…li seu livro submissas? e me abriu a mente sobre esse assunto…li também outros livros sobre o assunto meses antes de casar…como meu marido tinha preguiça de ler (rs melhorou) eu lia e comentava com ele…quando nos casamos e sentia desconfortos eu falava…li sobre a função do clitóris e expliquei para ele…ambos buscam satisfazer o outro…quando ele age de uma maneira que me chateia converso e exponho meu sentimentos…o importante é a busca de satisfazer o companheiro para que se torne reciproco, como você deseja receber algo se não o faz por onde…buscar compreender o outro é fundamental para a felicidade do casal…Deus é sempre a chave é claro!!! estou me formando em história e um dos ramos da história que me faxina é a história da sexualidade, conhecer a mentalidade de épocas diferentes sobre o sexo é essencial para compreender como pensamos hoje, e antes as mulheres não podia expressar não podiam sentir desejos sexuais, muito menos pelo seu próprio marido, o sexo era apenas para procriação, as mulheres que se expressavam eram colocada em hospícios, pois os sintomas que sentimos por abstinência era comparado a loucura, que sabe sobre medicina compreende, então existia uma repressão imensa…podemos hoje nos expressar, mas infelizmente existem pessoas que mantem a mente fechada para o conhecimento novo…devido as conquistas feministas e aos avanços da ciência hoje nós mulheres podemos dizer QUEREMOS SEXO!!! agora infelizmente muitas querem se entregar à prisões com o sexo casual ou se matar viciando em masturbação( pq esse vicio leva a morte de acordo com alguns médicos), do que se dedicar a uma pessoa especifica e única para vida toda pq dizem ser feministas e querem ser idependentes, essa pessoa que te criticou não sabe do que fala é leiga ao assunto se diz estudiosa, mas no fundo não sabe de nada. Te admiro muito!!!

    Reply
  • Fabiana, talvez, a “Bia” tenha se expressado mal, mas quem sabe, ela não esteja totalmente errada. O que choca um pouco nas palestras cristãs que tenho ouvido ao longo de 20 anos de adventismo, é a unilateralidade dos conselhos. Aconselhar mulheres para que façam mais sexo com seus maridos, porque ELES têm necessidade, de certa forma, soa estranho mesmo. Para mulheres que passaram o dia sem um carinho, sem uma palavra de apreço, sem receber qualquer tipo de estímulo verbal ou emocional, o fato de “ter que fazer” sexo é um assunto bem delicado. Sei que sua palestra não está pedindo isso. Mas acredito que se palestrantes cristãs procurassem aconselhar o diálogo e a busca de ajuda emocional, antes de aconselhar o aumento da prática sexual, o serviço prestado seria mais assertivo. Os casais precisam se conhecer melhor, conversar mais, se entender mais, dialogar, expor seus sentimentos, seus anseios em relação a tudo e em relação ao sexo e se ajoelhar no altar do Senhor diariamente. Se eles seguirem este caminho, o sexo será sim uma bênção, será sim maravilhoso e acontecerá naturalmente, mais vezes e com mais qualidade. Até lá, incentivar as mulheres apenas para que façam sexo porque seus maridos gostam e precisam é uma forma de opressão que nada tem a ver com o que Deus havia planejado. Mulheres também gostam de sexo e precisam dele para ter um casamento saudável, só que é muito difícil entregar o corpo, quando a mente é rejeitada. Porque é isso que estou vendo aqui das suas leitoras e é o que vejo dentro da igreja há tantos anos! Homens brutos, machistas, que não gostam de tomar banho, que não se importam em proporcionar prazer, que não se esforçam por ser melhores maridos, exigindo sexo em quantidade satisfatória, sob a égide do sagrado conceito pregado nas igrejas a respeito do sexo. E isso está errado. Estas palestras deveriam ser para casais ou para os maridos também, para que fosse explicado a eles que uma mulher amada, respeitada e valorizada é uma mulher mais disponível para o sexo. Para que fosse dito a eles, que assim como eles gostam de uma mulher cheirosa e limpinha, elas também gostam de homens que tomam banho e trocam de cueca, todos os dias. Que uma mulher que recebe ajuda para lavar a louça do jantar, organizar a cozinha e colocar as crianças para dormir, é uma mulher que terá mais tempo para se cuidar e agradar ao marido. Enfim, que uma planta bem regada durante o dia, é uma planta que desabrocha à noite! A “Bia” errou porque confundiu as coisas ao fazer a crítica. Mas acho que você poderia pensar em fazer uma palestra mais abrangente, que envolvesse os casais e assim, os conselhos que você dá e que são ótimos, poderiam alcançar também os maridos.

    Reply
    • Você tem toda a razão Ju! Aliás, eu adoraria falar para os homens, mas nunca me convidam! conversar, se expressar e deixar o outro saber dos seus anseios é o segredo para um sexo saudável e um casamento pleno! Obrigada por comentar!

      Reply
      • Parabéns Jussara, adorei sua colocação. Penso exatamente igual a você. Precisamos ter cuidado ao falar sobre sexo no casamento, sobre a submissao da mulher ao marido, pois e através desses assuntos, que a mulher vem sendo desmerecidas e usadas como meros objetos pelos seus maridos cristãos. Conheço um casal onde o marido e pastor adventista, e ele trata a esposa como se ela nao tivesse capacidade para pensar e coisas do gênero. Ela nem amigas tem pq o marido diz que mulher nao tem que ter amigas. Aff! E pior ele faz esse discurso de que as mulheres devem fazer sexo com seus maridos sempre que eles quiserem; e sinceramente acho esse dircurso meio nojento, porque para mim isso nao e amor e muito menos prazer, para mim e abuso a mulher querer e pensar dessa forma. Mas independente de qualquer coisa, Amodoro a Fabiana Bertoti. Beijos jussara e beijos Fabi

        Reply
    • Obrigada por escrever aqui, flor! E concordo contigo. A minha resposta pra “Bia”foi num contexto específico, mas é claro que não considero as mulheres as escravas sexuais do marido, pois eu não gostaria de me ver assim. Os casamentos andam afundando por vários fatores: egoísmo, falta de comunicação, de carinho, de conhecimento do outro.
      Bom, de qualquer maneira obrigada por visitar o meu cantinho e contribuir com sabedoria aqui.

      Beijocas

      Reply
  • quando acabou a submição acabou muita coisa tbem no relacionamento de casais,a palavra diz que mudaram a forma natural de ser inflamndo-se,ou seja almento do pecado pelas formas de relacionamento,só para dar uma opnião sobre a sua amiga anônima acho que ela tbem deveria ser uma mulher de DEUS pois pelo que parece ela tem muitas fantasias na cabeça,e ñ consegue se sastifazer com marido pois a mente delanão esta no ato,mas as fantasias estão ou já esfriou o relacionamento dela,ou pode ser por ele ser muito dotado e não haver um dialogo só desconforto na penetração ela se martirise assim…..APAZDO SENHOR UM ABRAÇO….

    Reply
  • Olá Fabiana, desculpe pelo comentário anônimo, enfim, eu sou casado a 9 anos, sempre adventista, e eu cheguei até este artigo, através do compartilhamento do face, de uma amiga em meu perfil. Gostaria muito q minha esposa lesse este artigo, pq não tenho o q reclamar da nossa relação sexual, mas o problema, é q demora muito pra acontecer, não que eu não procure, mas é geralmente 1x por semana, ou 1x a cada 2 semanas, e ai a unica saída q encontro é “quebrar o galho”, se é q vc me entende, mas isso não ajuda muito, tanto é q as vezes, faço 3x no dia pra acalmar os ânimos. Antes q me atirem pedras, sempre procuro satisfazê-la, por mais q eu chegue antes no orgasmo, sempre continuo, até ela chegar também, ou seja, para ambos sairem felizes, ela mesmo me agradece depois, as vezes brincamos de notas, para medir o desempenho, e o feedback dela é positivo, ai me pergunto, se é tão bom, pq demora tanto a acontecer? Será q sou eu q estou fazendo algo errado? Será ela? O que eu poderia fazer/melhorar para q consiga aumentar a periodicidade? E a ela? O que eu poderia sugerir/conversar pra saber como melhorar nessa questão?

    Reply
  • Oi Fabiana! Tenho 22, sou adventista e casada a 8 meses. Adorei tudo no seu blog… essa postagem… ótima! Apesar de o conteúdo não me surpreender (procuro ficar “antenada”!), a abordagem é simples e eficaz, e muito bem embasada, se é que uma simples graduada possa dizer. Parabéns!!!

    Reply
  • Oi Fabi, diante de sua resposta, não há como não concordar…
    desculpe ñ me identificar, estou passando por um problema tbm, francamente ñ sei se existem outras meninas que passam por isso, mas me casei 3 meses e eu e meu marido ñ conseguimos fazer sexo sinto como se o problema fosse eu , não sei o que fazer… passamos por todas as preliminares mas na hora h não conseguimos.
    espero sua ajuda, obrigada……

    Reply
    • isto é mais comum do que se imagina hoje em dia. Quando vou nestes encontros, várias “amigas” vem me contar desta dificuldade e sei que existem vários fatores (estresse, desiluções, frustrações, desequilíbrio hormonal, desequilíbrio emocional, etc), mas o que me preocupa e entristece é que não há um diálogo aberto com o parceiro para uma busca de solução. Lamentam-se, mas não procuram médicos, psicólogos, terapeutas e pessoas que poderiam ajudar e se contentam com uma vida sexual mesquinha e medíocre, o que é uma pena!! Meninas, é preciso buscar ajuda e se ajudar, sexo é presente de Deus, vamos usufruir!

      Reply
  • Para ajudar as amigas que enfrentam problemas como não vontade de fazer sexo ou falta de prazer. Já passei por este problema e hoje superei. Sei que podem ser vários fatores, mas no meu caso era problemas hormonais. Fiquei durante muitos anos tomando pilulas anticoncepcionais e como resultado depois de vários anos, mesmo sendo jovem, meus hormônios sexuais estavam similares a de uma mulher na menopausa e eu estava com sintomas de depressão. Busquei ajuda e hoje utilizo métodos naturais, abandonei as pilulas e em 6 meses meus hormônios regularam e meu casamento mudou completamente para melhor. Parabéns a Fabiana Bertotti ao abordar o assunto de maneira esclarecedora.

    Reply
  • Ola Fabiana!
    Li ,atentei para tudo que foi escrito e fica uma outra questão que é pouco discutida…
    Acho o sexo um presente de Deus.Não tenho neuras sobre assunto,sou casada a 17 anos e meu marido foi meu único homem.
    Casamos virgens,e tivemos problemas desde o inicio,que com o tempo melhoraram um pouco.Mas a 7 anos,o relacionamento sexual foi diminuindo drásticamente…até que acabou definitivamente.Ele sempre teve uma desculpa na ponta da lingua,como stress,cansaço,e até colocar a culpa em mim.Fiz tudo humanamente possivel,para ajudar meu marido,até que percebi que ele não queria ser ajudado..aceitou a derrota,e acabou comigo!Nos separamos.Foi a fase mais dificil da minha vida,porque ele chorava,as crianças tambem choravam muito.Depois de muita conversa,aceitou tratar-se,mas isso durou pouco…Já fui a psicólogos,pedi esclarecimentos ao meu pastor,e parece que não há ninguem que possa me ajudar,porque eu sim ,sinto MUITA falta do ato sexual que acabou literalmente.Engordei 12 kilos de pura ansiedade.Não me sinto amada, mesmo que ele diga isso de vez enquanto.(Acredito que a maior prova de amor,seria uma atitude de mudança)passo muitas madrugadas orando.Oro muito por ele,por mim,porque o amor se esfriou…sou humana!
    Beijos,abraços são raros.Preparo ambientes especiais,viajens..parece que nada desperta o desejo dele…tenho 36 anos e me sinto uma viúva de marido vivo…
    Admiro muito seu trabalho Fabiana e em novembro estarei em um congresso com você,aqui no ES.Talvez você possa me dizer algo na inspiração de Deus,que acalme o meu coração triste no dia de hoje!

    Reply
  • Ola Fabiana, também estou passando por um problema semelhante ao da Anonima, depois de ter filho não sinto mais tesão pelo meu marido, não sinto vontade de fazer sexo, quando começa rola bem, mas se não fazer durante semanas não tem feito falta pra mim. Será um problema hormonal?

    Reply
  • Perfeito! Fazer sexo com o marido sim, todos os dias se o casal tiver o clima e sempre que der vontade. Sexo é prazeroso, é saudável (para a pele, os cabelos, queima energia, entre outros). Os homens precisam mais de sexo? Sim. Mas quem disse que nós também não precisamos? Se seu maridos estão sempre a fim mulheres, aproveitem! É sinal que eles a desejam em detrimento de todas as outras, então sejamos sábias, vamos manter esse fogo aceso.

    Reply
  • Eu admiro demais esse dom de, até pra dá uma bela resposta, utilizar as palavras. Sem ser descrente, injusta, impura ou imperfeita!
    Fabi, já vi uma palestra sua aqui em Feira de Santana, só não gostei pq ainda não posso colocar nada em prática! haushauhsuahsuah #solteirice Mas, independente disso, concordei (e continuo a concordar) com tudo que ouvi e aprendi ali…
    Deus continue a te conduzir nesse ministério lindo. E quem não gostou que compre uma ‘Capricho’ pra aprender!!! =P #prontofalei

    Reply
  • Amei o post Fabiana! Você é muito boa com as palavras, fico admirada com sua maneira clara e objetiva de falar de assuntos que muitas vezes nos envergonhamos de falar. Eu acho importante isso, porque se a gente não tem pessoas dentro da igreja pra falar disso pra nós, o mundo terá, e de maneira não sadia.

    Reply
  • Fabiana,

    desculpe por não me identificar, mas fico com vergonha. entendo e concordo com suas colocações, mas me diga o que fazer quando não se sente prazer algum no sexo? tenho feito sexo apenas por obrigação. isso tem me matado por dentro e tirado a paz em meu casamento. sei que meu marido tem as necessidades dele, mas sabe, estou vivendo um momento de angustia no meu casamento, pois toda vez que fazemos sexo, me sinto usada, choro as vezes sem ele ver. Sabe, ja procurei ajuda de psicanalistas, leio livros, oro mt, e nada muda. Meu marido é um homem de Deus, honesto, trabalhador, mas na hora do sexo, falta alguma coisa que não sei o que, so sei que não consigo sentir prazer algum, pra mim é um momento de martilio. só Deus para entender o que tenho vivido. Por isso não consigo fazer o que vc falou, creio que suas palavras são inspiradas por Deus, mas como??? como conseguirei satisfazer meu marido, sem me machucar???

    Reply
    • Oh, minha linda! Podem existir inúmeros fatores para sua falta de vontade. Desde traumas anteriores até desníveis hormonais. Ajuda profissional é o que indico urgente, mesmo que já tenha ido à um psicanalista, procure outros, médicos! O sexo é um presente de Deus para nos unir em matrimônio e não pode, de maneira alguma ser um martírio assim. O Pai, antes mesmo do seu esposo, é quem quer te ver feliz e realizada. Prometa-me que vai procurar outras opiniões médicas? Orarei por minha “amiga” anônima, de qualquer maneira.

      Reply
      • Fabi,

        Eu já fui ao médicos, fiz exames hormonais e nada!!
        Creio que meu problema seja espiritual, pois antes de casar, tive relações com meu esposo. Quando nos casamos, eu me senti mt aliviada, pois estava fechando as portas para o inimigo, só que depois disso o desejo por meu marido caiu consideravelmente.
        A frequência de sexo caiu consideravelmente a cada ano. Hoje estamos casados a 4 anos e sou totalmente frustada sexualmente, pois não consigo me realizar. Deito com meu esposo apenas por obrigação.
        Ele é um bom homem, honesto, temente a Deus, porém não sinto mais desejo por ele.
        Aos poucos acho que meu amor foi acabando. Sinto que ele não tem aquela “Pegada” sabe? e isso quebra mt o clima. Quando fazemos sexo, me sinto pessima, como se estivesse sendo molestada, mt das vezes eu choro sem ele ver.
        Já conversamos sobre isso, me abri com ele, falei tudo que pensava, e esse quase foi o fim do meu casamento, pois ele ficou mt triste e disse que eu não o amo.
        Estou mt mal! Pois já pensei diversas vezes em me separar.
        Acho que nosso problema é espiritual, estou orando mt a Deus, mas até agora nada muda!
        Ore por mim…

        Reply
        • Querida procure ajuda em sua igreja com uma líder. Já vi muitos casamentos restaurados pelo Sr com esse mesmo problema. Busque ajuda, não sofra sozinha. Nada é impossível para Deus e a família é um lindo sonho Dele pra você. Deus abençoe!

          Reply
        • Querida,

          procure um psicólogo com boas referências e que seja cristão. Acredite, ajuda muito… Isso pode ser sentimento de culpa. Bjs

          Reply
  • Nada Mais justo e menos ultrajante é ler o seu ” direito de respostas “… ao ler, e não colocando a minha opinião masculina, mas como de um leitor e apreciador de boas e edificantes colocações do seu trabalho, de quem sempre procura esclarecer temas poucos difundidos e apresentados em nossas igrejas, seja por tabus, por falta de conhecimento ou mesmo de coragem de alguns de nós, me senti o próprio respondendo a tal recalque.
    Até porque, somos bombardeados todos os dias pela mídia, que por meios, métodos e maneiras deturpadoras, tem levado jovens, homens e mulheres, a busca desenfreada pelo sexo sem compromisso… Por isso deixo aqui os meus parabéns pela colocação, pelo empenho e pela coragem do seu trabalho, não desista nunca de usar seus dons e talentos pela causa do Senhor e bem estar dos seus filhos. abçs

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *