Mamãe saudável, bebê saudável

Mamãe saudável, bebê saudável

Sempre recebo perguntas na minha página de como, por exemplo, introduzir o alimento sólido para o bebê, sugestões de receitas de papinhas caseiras, lanches para escola entre outros. Quero ressaltar que sou apenas uma jovem mãe, já não mais de primeira viagem, e enfermeira, apaixonada por alimentação natural, que vive testando, inventando e aprendendo a maternidade com muito esforço, dedicação e cansaço. Mas espero que os posts sejam relevantes e acrescentem um conhecimento adquirido com muitas “cabeçadas maternas”. Mas vamos ao que interessa que esse papo agora é para as mamães.

Você ama seu filho, quer o melhor pra ele, deseja que ele cresça forte, inteligente e seja um adulto bem sucedido, certo? E, acima de tudo, que ame à Deus sobre todas as coisas? Creio que as repostas a essas perguntas sejam um unânime Sim. Mas o que isso tem a ver com alimentação? Absolutamente tudo. Desde o ventre nossos pequenos estão experimentando as sensações do mundo através de nós. Os sons, as emoções, nossas alegrias e também nossas tristezas, nossas angústias, nossa euforia. Por mais ou menos 9 meses somos dois em um. Sentimos quando eles chutam, soluçam, nos dão socos, quando estão dormindo e quando mudam de posição. Um período mágico que precisa ser coroado com muita saúde. E o cuidado com a saúde do seu filho começa ainda dentro do útero, sabia? Conhece aquela frase “você é o que você come?”. Nesse caso, seu bebê é o que você come. Portanto, se sua alimentação interfere diretamente na sua saúde também interfere na formação do seu bebê.

Quando engravidei da minha filha mais velha, apesar de ser enfermeira, me senti desbravando um mundo praticamente desconhecido, dos enjoos, náuseas, azias e afins, afinal, nos livros da faculdade, aprendi que os enjoos eram matinais e durariam poucos meses. Qual não foi minha surpresa quando percebi que eu os sentia o dia todo, que não cessaram, e o pior, eles me perseguiram por toda a gestação até o momento do parto, durante as 6 horas de trabalho de parto até minha boneca nascer e, enfim, esse mal-estar miraculosamente desaparecer como num passe de mágica. Instintivamente no primeiro trimestre em especial, eu tinha um desejo quase compulsivo e aparentemente inexplicável por limão, puro, purinho, espremido direto na boca. Algum tempo depois, lendo sobre o assunto, entendi que isso acontecia porque a Vitamina C é essencial para o desenvolvimento do bebê exatamente nessa fase da gestação, e meu corpo sabendo disso me enviava o desejo para suprir essa carência. Natureza maravilhosa de Deus!

Não há dúvidas de que você deseja que seu filho seja saudável, então anote as seguintes dicas que poderão te ajudar a promover a saúde do seu bebê desde o início da gestação.

1. Não esqueça de tomar diariamente sua vitamina pré-natal. Ela garantirá muitos nutrientes essenciais para o bebê como por exemplo a vitamina B12 e o ácido fólico, importantes para a formação dos glóbulos vermelhos, a vitamina C que produz o colágeno, a vitamina D importante para os ossos e o zinco para o desenvolvimento cerebral.
2. Garanta o Ômega 3. De acordo com a Professora da Universidade de Medicina e Ciência de Chicago, Lisa Eliot, o ômega 3 é encontrado nas membranas das células do cérebro, portanto existem inúmeras formas pelas quais ele influencia as atividades cerebrais.
3. Coma frutas e verduras em abundância. Os antioxidantes protegem o tecido do cérebro do seu bebê de sofrer danos. Folhas de cor verde escuro e frutas vermelhas são ricas fontes de antioxidantes.
4. Aumente sua ingesta de ferro. Muitas mulheres já engravidam com carência desse mineral, que é importante para oxigenação do bebê.
5. Controle o peso na gravidez. Alguns dos problemas mais comuns decorrentes do ganho excessivo de peso são a hipertensão gestacional, chamada de eclampsia e o diabetes gestacional. Ambos podem fazer com que o bebê nasça prematuro. Segundo a dra. Lisa, bebês que nascem antes da hora, perdem uma nutrição exclusiva da placenta, são expostos à estímulos que não estariam sendo expostos se ainda estivessem no útero, são mais vulneráveis à infecções, além de apresentarem um risco maior de prejuízo mental.

Existem muitos outros benefícios de uma alimentação saudável na gestação, mas ao meu ver, o maior deles é a certeza de que estamos cumprindo o que Deus espera de nós enquanto cuidadores desses tesouros, herança do Senhor.
Meu desejo é que tenhamos mais sabedoria e muita saúde!

Author

Joyce Zanardi é enfermeira, mãe de duas lindas garotinhas e cantora. Sempre ligada quando o assunto é saúde e educação de filhos, vai dividir seus conhecimentos e descobertas com as leitoras periodicamente neste espaço.

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *