Melhor ou pior? Depende…

Que loucura. Se você procurar no meu blog verá que em menos de dez meses eu estava escrevendo da minha mudança para Porto Alegre e agora, já estou de partida. Sensação estranha. De novo, aliás. Não que eu não goste de mudanças. Gosto. Acho até que seria bem chata a vida toda num único lugar, mas não precisa mudar com tanta frequência, né? Ainda mais que em fevereiro do ano passado eu tinha mudado também. Sendo assim, fiquei menos de um ano na outra casa. Haja móveis pra aguentar tanto monta-desmonta, dinheiro pra repor o que se perde e paciência com caixas e reformas.

Estou meio apática hoje. Acho que ficamos pouco aqui. Tenho que confessar e bem baixinho para os gaúchos não festejarem (ou festiarem, como dizemos aqui), mas ô povo bom de se ter por perto! Vim chorando, colocando na balança tudo o que perdia ao deixar a bela Curitiba. Concordemos, cidade igual não há. Mas ao chegar – ainda que torcendo o nariz por tanto lixo nas ruas, fachadas mal acabadas, calçadas esburacadas e outras tantas falências públicas e sociais – me deparei com um povo hospitaleiro, alegre. Bairrista, sim, é verdade, mas capaz de receber e acolher como nenhum outro. Talvez não tanto quanto nós baianos (risos), mas quase isto. Fato é que fizemos amigos e novamente despedir dói. Agruras da vida.

Agora, enquanto ouço os ecos da casa vazia, fico pensando se existe mesmo esta história de lugar melhor ou pior. Acho que não. Existem lugares com mais ou menos amigos. Antes de sair de Curitiba dizíamos que se pudéssemos escolher, pra lá voltaríamos. Hoje, acho que é pra “capital do mundo” o meu retorno predileto e do meu marido também. Não, não acho Porto Alegre mais bonita, nem poderia, pois falta muito pra esta cidade ter a infra-estrutura que o povo merece, contudo acho que aqui poderia voltar quantas vezes quisesse e encontrar um quarto pra pousar, uma roda pra conversar e risadas pra dividir. Bah, tchê, foi tri legal!!

3 comments

  • me autoriza a postar suas graciosas palavras no face?
    É que queria dar uma cutucada nos amigos do UNASP que vivem falando mal dos gaúchos… rsrs

    palavras de Fabiana Bertotti (eu coloco o link abaixo)

    “…Tenho que confessar e bem baixinho para os gaúchos não festejarem (ou festiarem, como dizemos aqui), mas ô povo bom de se ter por perto! (…) me deparei com um povo hospitaleiro, alegre. Bairrista, sim, é verdade, mas capaz de receber e acolher como nenhum outro. Talvez não tanto quanto nós baianos (risos), mas quase isto…”

    http://fabianabertotti.com/2011/melhor-ou-pior-depende/

    Aguardo sua resposta!

    Reply
  • heheh…
    Bom… quando falo dos gaúchos as pessoas não me acreditam.. Dizem que os gaúchos são fechados e frios…, mas tá aí a prova de que isso não é verdade e por isso vou festejar sim, já que sou gaúcha.. rsrs
    Abração!!!
    Sempre será bem vinda na nossa terrinha!

    Reply
  • Bertottinha, agora você entende pq todo gaúcho se arrepia quando fala da sua terra, né? Achei legal a sinceridade do post, digno de ser lido por muitos que falam mal do povo/solo gaúcho sem ao menos ter atravessado o Mampituba. Porto Alegre está longe de ser o melhor lugar do mundo, bem como o Rio Grande do Sul num todo, mas não há preço que pague ser bem recebido por essa gente. Me sinto orgulhoso de fazer parte deste “povoeiro”, principalmente por ser da parte “azul” da força, mas isso já é outra história, hehehehe. Boa sorte na nova casa, e fique tranquila, o Salgado Filho – menos no inverno – sempre estará aberto para eventuais pousos. 😉

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *