Mente Aberta

Mente Aberta

O texto escrito é minha paixão, mas devo reconhecer seu risco. Quando escrevemos, não temos controle sobre como o leitor o receberá. Pode ser que me veja como brava, quando estou apenas pensativa. É provável que me leia crítica, quando a intenção é plenamente amigável. Mas escolhi este meio, este canal e sabia dos ossos deste ofício. Outro dia perguntei sobre cinema no Facebook. Só perguntei. Alguns entenderam e apenas responderam com suas opiniões, outros agrediram verbalmente e alguns desprovidos de qualquer sanidade falaram impropérios, nos comentários e nas mensagens. Não, não me ofendi. Nem me conhecem de fato.

Já faz algum tempo que desisti de pregar, no sentido de convencer alguém da  minha opinião. Apenas vivo o que creio, pregando sem falar. Se elas se convencem, adotam algumas coisas, rejeitando o que não lhes convém. Normal. Faz parte do nosso desenvolvimento como ser humano crescer, podar, frutificar. Alguns só arrancando pela raiz mesmo.

Como disse, falei de cinema e queria dizer porque não vou ao cinema. Fique tranquilo, não quero te convencer de nada, te condenar menos ainda. Não me cabe este papel. Apenas quero te contar o meu ponto de vista e devo começar dizendo que quase não vejo filmes. Já gostei mais, já assisti a vários – alguns dos quais me arrependo, aliás. O problema  todo pra eu me comportar assim é que faz alguns anos descobri que nossa mente é um depósito que não rejeita nada. Tudo o que vemos e ouvimos fica lá. Às vezes em gavetinhas que parecem lacradas e esquecidas, mas que podem vir à tona nos momentos mais inoportunos.

O que vejo, leio, escuto me abastece para decisões que tomo, para emoções que alimento. Outro dia um colega de trabalho me questionou sobre esta postura, já que, segundo ele, eu perco muitas “referências” artísticas por não ir ao cinema e nem assistir aos filmes a moda. Sei disso, mas pesando na balança e levando em conta meu objetivo na vida, temos que concordar que existem muitas outras “referências” e sem parecer careta, acho que Deus, a própria originalidade de tudo, é uma boa fonte de inspiração. Aquela cena de assassinato que verei num filme, vai alimentar minha alma, o adultério vai me influenciar eu querendo ou não. As doutrinas espíritas ficarão lá, esperando para subir ao consciente e por aí vai. Não quero isto pra mim. Já tem tanto lixo que recebo sem poder apartar, pra que vou me expor a este outro tanto se está em meu poder rejeitar?

Eu poderia discorrer sobre nossa capacidade neurológica de absorção e reação, da diferença entre mídia recebida e percebida, o poder de influência num ambiente fechado, com uma tela enorme, dos 24 quadros por segundo a inversão de frames, do achaque comercial perpetrado pela tecnologia IMax, mas não vou. Não vou por um único motivo: não quero te convencer de nada, pois se discorda de mim, ainda mais se gosta muito de filmes e de cinema, ainda que eu trouxesse o inventor das super telas para dar seu depoimento de como ele criou um mecanismo que nosso cérebro não consegue repelir, de como engolimos tudo aquilo sem pestanejar – mesmo arrotando ter controle sobre tudo -, ainda assim você não me acreditaria. Não vou usar argumentos da escritora Ellen White, nem falar  dos significados de cinema e teatro elétrico, informando a coerência dela sobre uma tecnologia que conhecia e que já no seu tempo se mostrava de grande perigo para a mente. Nada disso. Simplesmente pelo fato de que não te convenceria.

Posso parecer retrógrada pra você, tudo bem, já ganhei nomenclaturas piores. Mas não acho mesmo que deva perder duas horas ou mais da minha vida por semana, por dia ou seja lá que período, para me expor a isto. Se tem filme que preste? Claro que tem, não sou ignorante. Já vi muitos inclusive. Mas também tem aqueles com 5% de conteúdo edificante diluídos em 95% de ações e pensamentos que se chocam contra meus princípios e de tanto bater, uma hora os derruba. E se você é tão humano quanto eu, querido leitor, também está passível disto.

Veja, não estou aqui escrevendo sob demanda de igreja, estou falando da minha filosofia e prática de vida. Se você é frequentador de cinema e adora ver filmes, sozinho ou com a família, não te considero pior nem melhor que eu. Apenas temos opiniões diferentes sobre o assunto. Apenas queria te contar minhas razões, pois elas podem te fazer algum sentido também.

14 comments

  • Sua decisão foi sabia em viver o que você acredita em vez de condenar os outros por não ter a sua visão isso é sabedoria e discernimento até porque o seu tempo não é o tempo dos outros e aquilo que DEUS trabalhou em sua vida não necessariamente será o mesmo ponto que ELE trabalhará em outra vida.As pessoas são diferente, têm histórico de vida diferente e tem as suas próprias particularidades, culturas, crenças. Se alguém tiver que convencer alguém de algo ou alguma coisa que seja o Santo Espírito de DEUS porque quando os outros tentam tomar o lugar DELE querendo convencer alguém de algo passam a imagem de invasão de privacidade e violência da essência humana.

    Reply
    • É verdade, Andrea, as vezes a pessoa entende uma coisa, tem uma “revelação” e já quer logo enfiar goela abaixo nos outros. Deus nos deu um cérebro pra usar e livre-arbítrio para escolher, logo… quem somos nós para condenar ou forçar alguém? Beijocas e obrigada por comentar!

      Reply
  • Bom dia Fabi, adorei o seu texto. Esses dias estava conversando com amigos a respeito desse tema e muitas coisas foram levantadas. Enfim, começo dizendo que não sou contra o cinema, no caso o ambiente em si, mas que, penso cada vez mais no conteúdo do que assisto e acredito que a decisão de não ir ao cinema deve ser embasado no conteúdo que você não quer para sua vida e não na cadeira que você senta.

    Eu vim de uma formação não cristã, me converti com 16 anos, e antes disso eu já tinha o costume de ir ao cinema. Depois da minha conversão fui me informar sobre o tema recebi a resposta de que o tamanho da tela e a qualidade do som deixam nossa mente mais receptiva e todas as informações técnicas que você mencionou no texto. Concordo plenamente! Porém, devemos levar em consideração que cada vez mais temos maiores televisores, com imagens cada vez mais nítidas e com os home Theaters que nos aprisionam mais ainda ao filme. Isso não torna certo ir ao cinema, porém, muitas vezes somos rápidos a apontar o dedo e tardios em olhar para o tamanho da televisão em nossas casas.

    Outra explicação que eu ouvi, é que o ambiente não é cristão baseado nas pessoas que o frequentam. Discordo. Pois atualmente, ir ao cinema é programa de gente careta, programa de pais com os filhos. Já foi um ambiente onde as pessoas iam para namorar mais intensamente por assim dizer, mas hoje as coisas estão tão escancaradas que ninguém precisa ir ao cinema para fumar, transar ou qualquer coisa do tipo, quem vai no cinema vai para assistir filme.

    Já ouvi justificativa que o dinheiro é gasto numa atividade fútil. Discordo. Por que comemos cebola frita no Outback se podemos comer em casa? Por que fazemos a unha na manicure se podemos fazer em casa? Enfim, podemos enumerar uma série de coisas….

    Enfim, para concluir meu pensamento: O filme que é impróprio (Ou seja 99% ou mais) é impróprio no cinema e é impróprio na minha casa. Conteúdo espirita, se não satanista, sexo, violência nada disso faz bem para nossa mente. Mas muitas pessoas acreditam que estão ilesas porque não sentam na cadeira do cinema. Quantas vezes vi gente que não frequenta deixar seus filhos assistir qualquer coisa, qualquer filme, sem filtros, e ainda pior, sem acompanhá-los. Ainda incluo nessa lista os jogos que permitimos que nossos filhos joguem em casa na TV de 50 polegadas.

    Então, está na hora de pararmos de argumentar sobre a cadeira do cinema e passar a pensar no conteúdo que lemos, ouvimos e assistimos.

    Reply
  • Conheci o site hoje. Quero fazer um estudo detalhado sobre cada um desses pontos que você citou:

    capacidade neurológica de absorção e reação, a diferença entre mídia recebida e percebida, o poder de influência num ambiente fechado, com uma tela enorme, 24 quadros por segundo, a inversão de frames, o achaque comercial perpetrado pela tecnologia IMax.

    Onde posso buscar mais informação?
    Me ajudaria muito a crescer mais na fé se você pudesse me responder.

    Reply
  • Discordo, mas respeito. E adorei a tag “Batman”, sinal que é direcionado a um público, ou a uma ou umas pessoas.

    Entretanto, nunca li um texto com ponderações reais e de valor sobre o veto ao cinema, só futilidades e até insanidade, que não é o caso desse texto que parece buscar um pouquinho de equilíbrio, mas se perde no fraquíssimo e paupérrimo argumento.

    Mas se isso te faz bem e não te influencia, beleza, eu me influencio positivamente no cinema.

    Que bom, né?

    Reply
  • Amei a forma como você de forma simples e clara expôs sua opinião sobre esse assunto! Gosto de ler textos que dizem algo e que de alguma forma “se comunicam” com o leitor… Você é uma inspiração! Deus continue abençoando seu dom e seu ministério!!

    Reply
  • Passo aqui para parabenizá-la pela maneira tão espontânea e franca que vc usa pra comunicar suas opiniōes, além de ser equilibradíssima! Fica aqui o meu carinho! Bjs.

    Reply
  • Desejo saudar a iniciativa desta mensagem. Uma lufada de ar fresco com coragem em assumir posição plena de discernimento.

    Muito agradável de saber quando aquilo que mais se vê é medo de ser diferente. Nem que seja para melhor.

    Saudações desde Portugal.

    Reply
  • Boa Fabi, os príncípios foram estabelecidos por Deus não para que o ser humano dissesse se era bom ou não, os estabeleceu para serem vividos, os que decidem vivê-los terão além de uma vida muito mais feliz terão uma vida eterna.

    Reply
  • Apreico o seu comentário e a sua postura,, tudo na vida tem umpreço, o preço que pagamos por não concordar com a maioria é os insultos, o ser chamado de antiquado, mesmo entre aqueles que deveriam ser cuidadosos como que veem e ouvem, leem etc, inclusive eu.

    Reply
  • Muito interessante esse texto. Me soou como um desabafo. O fato das pessoa repudiarem a sua escrita, ainda que de forma violenta, infelizmente, faz parte, principalmente àqueles que se “expõem”.

    Na verdade, queria demonstrar o quanto gostei do que escreveu, da forma que colocou a sua atitude em relação a não ver filmes e muito menos no cinema. É sabido por muito e muitos, ainda que pouca coisa que, ver filmes, novelas, etc., influenciam sim o nosso comportamento, maneira de pensar e ver as coisas. Como você mesmo escreveu, existem bons filmes mas, nas últimas décadas, a qualidade vem caindo vertiginosamente!! Os trabalhos tem sido voltados à violência, traições e prostituição, coisas que a sociedade repugna mas, ao mesmo tempo, gostam de ver…

    Sem mais, gostaria mais uma vez de parabeniza-la e dizer que, acho eu, é a segunda vez que leio o que escreve e que gostei.

    Reply
  • Gostaria de receber de vc todas as explicações que vc disse no texto que não daria. Fiquei muito curiosa. Trabalho com adolescentes e se usasse argumentos sólidos como os que vc ilustrou, sei que abriria a visão deles a respeito do assunto. Tipo, o efeito da tela grande, mídia percebida e recebida. Se puder indicar livros tb, eu agradeço.
    Gostei muito do artigo!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *