Porque não me despedi

Porque não me despedi

Alguns amigos não entenderam, outros ficaram até chateados. Fato é que não me despedi de ninguém, com exceção de um sucinto “tchau” para o pessoal do escritório enquanto corria pelos corredores atrasada, como sempre, para meu vôo. Tranquila estou pelos que me conhecem bem (são raros) e entendem meus motivos, mas cabe alguma explicação só pra não me acharem tão chata.

Estou triste agora. Nada que se preocupe ou dure mais de uma semana. Sou assim. Choro sete dias, sofro, esperneio e volto a ser feliz, irremediavelmente feliz. Nunca é o lugar, mas tudo o que ele representa e do qual ficarei momentaneamente órfã até repor. Pior mesmo são os amigos, peças sem reposição no estoque. Não é o que vou ter,  mas o que vou perder que dói e despedidas acentuam isto, prolongam meu sofrimento. É aquela coisa doída, apertada, dramática que nos faz sacolejar a cada abraço soluçado. E mais choro.

Não nasci pra isto! Não é negação, é só uma leve escapulida da dor, algo como tirar a cobertura de glacê. Vou ter que comer o bolo, sei disso, mas posso me dar o direito de deixar , um pouquinho de lado, caloria descartável, só isto e quem faz dieta entende. Você que não faz, entendeu também?

Acho que, no fundo, não quero ver meus amigos me dando tchau com cara de definitivo. Assim, quem sabe, sem ver que parti me guardem sempre presente.

1 comment

  • Posso dizer que passei um tempo significativo com a Fabiana (Amaral), e, confesso que de cara é meio difícil entende-lá. Na escola estava sempre acompanhada de um livro surrado, pouco falava (raros momentos), somente lia, lia e lia. Gostava de música, comer bobeiras e sempre tinha algo para falar sobre arte e vida. Era considerada por alguns meio metida, mas ela tinha um vida diferente do mesmo, só isso. Talentosa, inteligente, as vezes, brilhante, falava sem parar quase sem respirar. Mas a vida acontece para todos e nos distanciamos sem direito a despedidas.
    Escrevo tudo isso somente para dizer que se alguém ficou chateado pelo arrebatamento da Fabiana, isso só tem um único motivo.
    É medo da saudade de você, bobinha.
    Abraço, com carinho.
    Fique com o Eterno
    Jonas Emidio

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *