Razões que a própria razão desconhece

Razões que a própria razão desconhece

Ganhei poucos presentes no Natal, o mais valioso foi o amor dos meus pais.

Fico triste no Natal. Todos os anos é assim. Já estou triste por antecipação, aliás. Agora, beirando as três décadas, posso vislumbrar a razão. É o passado.

Sou de uma família nordestina que migrou pra “Sumpaulo” em busca de melhores condições de vida. Pequena eu era e vim na bagagem, na tal mala e cuia. Não entendi muita coisa, mas meu coraçãozinho infantil sentiu e internalizou. Sei de histórias muito tristes dos meus pais ao se privarem do básico para que a meninha tivesse o que comer. Privaram-se de comida também.

Com muito esforço, trabalhos dobrados e toda economia que podiam, juntaram para um terreninho que aos poucos foi se transformando na casa da família. Ainda me lembro de um Natal peneirando areia junto com meus pais. Eu brincando, eles sonhando com a casa pronta, enquanto suavam sob o sol escaldante do nosso verão.  Meu irmão menor fazia de latas e paus uma frota de caminhões (o que não é a imaginação?!!) e eu construía com a areia.

O resto de frango assado que a vizinha trouxe para o jovem casal nordestino com dois lindos filhinhos ainda está vívido em meus olhos. Devoramos, agradecemos. Meus pais choraram naquele dia. É a dor que eu lembro. Era Natal. Presentes? Não era o caso. Primos mais abastados nos visitaram, mostraram sua felicidade materializada e eu, por volta dos 5 aninhos, os invejei. Desculpe-me, mas senti mesmo muita inveja. Ouvi do tal Papai Noel – que nunca existiu pra mim – ouvi  da ceia e do panetone. Queria tudo, embora não pudesse ter nada.

Passou-se o tempo, vieram outros natais e a prosperidade bateu à nossa porta não tirada do saco do Papai Noel, e sim do carinho de Deus. Já tem muitos anos que não existe miséria nesta data, mas ainda me é triste  e para os meus pais. Nos olhamos, sentimos o mesmo. Meus irmãos menores talvez não entendam. Quem é de fora pode achar esquisito, contudo, é um luto contido. Agora, sempre tem peru e embora eu não coma, aquilo representa muito pra mim. Representa vitória sobre o resto de frango assado dado pela vizinha.

Acontece que aquela menininha que ainda mora em algum cantinho dentro de mim procura com seus grandes olhos verdes estalados por outras como ela e é só o que encontro nesta data. Noutro destes saí pela rua com meu marido, com um dinheirinho em punho para dar de presente a algumas famílias de catadores que achamos pela rua. É meu jeito de ninar aquela menininha que eu era e que invejava os presentes dos primos, a comida dos tios.  De abraçar aquela criança que soluçava sem entender porque ela não podia ter.

Não sei se algum dia o Natal será gostoso pra mim. Ainda não aconteceu. Minha grande felicidade é pensar que, mesmo sem a data exata, é um símbolo do nascimento de Jesus  e Ele nasce todos os dias pra mim. A tristeza que é só minha eu posso transformar em alegria para alguém ao meu redor que poderá descobrir o Espírito do Natal e ser mais feliz hoje, do que já fui naquele dia.

15 comments

  • Boa Noite Fabiana!

    Não sei se algum dia o Natal será gostoso pra mim. Ainda não aconteceu….(suas palavras)
    Sabe, sinceramente eu acredito que sim.
    Você é mãe? Eu acredito, de todo meu coração que no dia que você receber um abraço carinhoso e ouvir aquela vozinha dizendo: “Feliz Natal Mamãe!”, deste dia em diante todos os seus Natais serão diferentes, serão gostoso, serão repletos de felicidade. Que Deus continue abençoando você e sua família!, e Feliz Natal!

    Reply
  • Nossa Fabi … Eu pensei que eu fosse a única que não se sente muito à vontade nesta época do ano… Confesso que até me sentia meio culpada por não sentir aquela “euforia” típica que todo mundo sente … O fato é que gosto da data mesmo apenas por ter a oportunidade de falar para as pessoas sobre Jesus , aproveitando que o “solo” do coração dessas pessoas onde as sementes do evangelho serão plantadas, normalmente é mais fértil nesta época … Todo mundo fica mais emotivo e mais receptivo 🙂
    E Fabi, parabéns pelo canal, é muito bom ver você falando da palavra de Deus com a sabedoria que Ele tem te dado, de forma direta, Clara…que Deus continue te abençoando
    , seu trabalho é uma benção !!

    Reply
  • Também sinto isso Faby, tbm sou de uma família humilde, passamos por muito momentos difíceis tbm, e o natal sempre é uma data triste p mim e meu marido, mesmo nos tendo tds os confortos hj em dia graças a Deus. Mas comemoramos pelo fato q vc disse q é o aniversário de Jesus Cristo nossa salvador. ^^
    Bjos querida. Que Jesus te abençoe cada dia mais e mais.

    Reply
  • Como as pessoas são tão diferentes, né? Acho que hoje eu olharia para trás e faria questão de celebrar o nascimento do meu Salvador, que mudou completamente a história de escassez de vocês.

    Reply
  • Acho muito lindo o que Deus Proporcionou a você., infelizmente tenho 25 anos e ainda sou essa menininha que você citou acima, e ainda tenho duas menininhas e um menininho que graças a Deus ainda não entendem o que nós estamos passando no momento.
    Mais me alegro em ver quanto Deus é maravilhoso e muda nossas histórias, sempre terei esperança que a minha história um dia quem sabe, também vai mudar.

    Reply
  • Me emocionei com teu post, relembrei minha infância com a família reunida, churrasco, frutas e amigos.
    Relembrei minha infância da época em que eu ainda tinha família: mãe, irmã(meu pai já tinha falecido enquanto me lembro de natal).
    Tenho boas lembranças, mas ficaram só na lembrança…
    Lembro dos pratos a mesa, das comidas, das luzes,… enquanto existiam…
    Lembro dos sorrisos, ….
    Saudade…
    Lembro e não quero esquecer…

    Reply
  • Os presentes que eu esperei nunca chegaram,a comida gostosa a árvore,cachos de uva,nozes… imaginei, até sentia o cheiro… o sabor! hoje com 29 anos não quero mais, não tem graça!o sabor não é o mesmo, o cheiro me incomoda, me deixa triste! fomos p/ Sumpaulo assim como vc, cheguei a questionar com Deus… tantos porqssss… tantas lágrimas! o tempo passou, mas ainda revivo tudo isso… bjss

    Reply
  • Adorei seu texto. Mesmo. Achei que eu era uma das poucas que nao partilhava desta alegria natalina. Eu nao gosto pois me lembra minha avo, que nao vive mais. Ao ler este texto, refleti que talvez haja muitas pessoas que neste dia, estarao refletindo sobre um dia que e mais consumismo, do que o real sentido. Jesus. Obrigada por suas palavras Fabiana.

    Reply
  • Fabi, gostei muito, emocionante. Graças a Deus nunca passamos por esse tipo de situação, mas durante a minha adolescência, passamos muitas privações, tínhamos o necessário para sobreviver.Assim como aquela garotinha que você foi, ainda existem muitas por ai, gostaria de fazer mais por cada uma delas e sempre que posso faço, porém esse ano infelizmente não poderei fazer muito e devo dizer que sou a única responsável por isso. Tenho certeza de que Deus me ajudará a superar meus problemas. Tenho fé que em breve toda a tristeza vai acabar.

    Reply
  • Como o passado por vezes determina e limita nossas vidas. Compartilho do seu sentimento não apenas em relação ao Natal mas à tantas outras coisas em minha vida. O passado às vezes vira presente…

    Reply
  • Querida Fabiana, aconteceu comigo o mesmo que com você, quase que exatamente igual com a diferença de que gosto do natal, as luzes a alegria que envolve este dia era repassado de maneira diferente no vilarejo em que cresci, povo simples e humilde, dava aos outros o que tinham e partilhávamos as alegrias e tristeza, como se fôssemos uma família, muito embora eu ainda não compreendesse ainda, eram poucos os nossos vizinhos mais éramos unidos e felizes como vivíamos e com o que tínhamos e isso me fez crescer com alegria e saudade do tempo de outrora, mais depois aconteceu algo de ruim com meu pai que nos fez voltar para nossa cidade natal, voltei triste, mais, feliz hoje sou, porque voltei para encontrar a minha maior razão de viver, Jesus!
    Por isso tudo, hoje faz mais sentido para mim.
    abraço querida, e volte a postar com mais frequência.

    Reply
  • Fabiana, amei seu texto!
    Tão profundo em seus pensamentos e sentimentos que quase consegui sentir o que sente… Saber expressar em palavras o que pensa e sente é um Dom dado por Deus. E Louvado seja Deus por seus vários dons! Todos deveríamos nos manter próximos de nossas raízes, preservando a simplicidade, a humildade e o que é realmente importante: família!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *