Religião ou Religiosidade?

Religião ou Religiosidade?

Esta coisa toda de religião é muito complicada. Acho que sempre achei, mas não tinha mentalizado ainda. Antes, contudo, é preciso saber que religião e religiosidade são coisas distintas. Como são! É que ainda na infância entortam tudo na cabeça da gente e está feito o problema que em alguns casos, demora-se anos para solver.

Chego a crer que alguns desajustes sociais e mentais – aí incluindo os espirituais – derivam desta incompreensão. Não tem aquela turma que ataca as religiões e o que se supõe Senhor delas? Não tem os ateus? Convença-me de que não possuem religiosidade! Estes podem não dispor, nem querer, aproximação da tal religião, mas se são bípedes pensantes, do tipo que chora, ama, sente dor pena e esperança… ah, são religiosos.

A religiosidade pra mim sempre teve a ver com algo supremo, que rege tudo. Por um tempo confundi com o conjunto de normas de uma religião, porém nada tem mais discrepância em sua essência. É que na religião há o público, a coerção, a vexação e o risco da temida expulsão. Abominável para este ser chamado humano. Na religiosidade a coisa é diferente. Tem um conforto que abraça, uma paz que preenche e uma razão irascível que explica o que à lógica não convém. Já não se trata de parar um dia sob pena de disciplina, mas de o fazer pela gratidão de uma oferenda. Na religiosidade natural e espontânea não cabe o medo da inadequação por demérito, mas a ação movida pelo amor de quem tem todo o mérito.

É claro que você pode dizer que isto não é religiosidade, tem outro nome. Pode ser, mas não sei se muda não. A minha religiosidade provém da necessidade inerente de Deus e escolhi uma religião que se pautasse pelo que Ele pediu. Tenho, todavia, consciência de que o Eterno tem muitos filhos, em muitos lugares e pra cada um deles uma linguagem, uma religião, uma porta de entrada. Por isto anseio pelo dia em que todas as barreiras cairão e as placas já não mais imperiosas serão.

As religiões se desfarão ante à verdadeira religiosidade que brota do amor supremo e puro por Deus ou do dEle por nós, por mim. Este milagre e mistério eu ainda não compreendi direito, mas é que na minha religiosidade cabem dúvidas que o contentamento sufoca. Sou religiosa, porque sou humana.

5 comments

  • Eu não gosto de me enquadrar no perfil de religião e nem de religiosa prefiro ter comunhão e reverência a DEUS. Carregar o fardo de ser uma santa perfeita, religiosa e cheia das religiosidades é algo que eu não quero e vejo que não traz alegria para ninguém somente opressão e uma falsa moralidade.Espero que DEUS me aceite sinceramente como eu sou em minha mais pura essência. Se tiver que mudar e ser alguém que não sou somente para ser aceito por algum grupo religioso : prefiro ser como Deus me fez e ser aceita por Ele.Acho mais digno, sábio, verdadeiro e util. Assim não estarei violentando a minha existência e essência dada por DEUS. ..

    Reply
  • Gosta muito de ler seus artigos. Eu os conheci no programa conexão NT. Meus parabéns pela forma tão agragável de escrever sobre assuntos tão variados. Um abraço!!!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *